Arquivo de etiquetas: cura dos sentimentos; cura; emoções; equilíbrio; curso; treinamento; workshop; palestra

MÃE NOTA 10

Happy-Mother-And-Happy-Baby-In-The-Bed

(Autoria de Eliana Barbosa*)

Quem é mãe sabe do que estou falando – de um perturbador sentimento de dívida, de estar sempre em falta com os filhos, ou com a família – uma emoção improdutiva, que pode atrapalhar sua felicidade. Por isso, para que você seja mãe nota 10, com menos culpas e preocupações que só roubam sua paz e atraem negatividade para a vida familiar, vamos refletir sobre alguns pontos importantes de sua vivência na maternidade – que é para sempre!

  • Cuide de sua autoestima – Assuma o controle de sua vida e valorize-se mais! Ninguém consegue amar, de forma incondicional – sem cobranças -, se não se amar e se apreciar primeiro. Quando você está bem com você mesma, você se liberta da prisão que é depender da aprovação dos outros para se sentir importante.
  • Coloque limites – Diga mais ‘sim’ para você e mais ‘nãos’ para os filhos, mostrando, assim, como é o mundo que eles irão enfrentar. Mãe boazinha estraga os filhos porque não os prepara para a vida.
  • Não queira ser necessária para os filhos a vida inteira, porque isso é contraproducente para o amadurecimento deles. Eles precisam crescer financeira e emocionalmente. Os filhos, antes de serem seus, são filhos de Deus e você deverá, na hora certa, deixá-los bater asas e voar.
  • Ajudar é humilhante, arrasa a autoestima dos filhos. Ajudar é fazer por eles, por isso, não os ajude e sim, os apoie – caminhe junto a eles, dê suporte ao seu desenvolvimento, elogiando-os e oferecendo conselhos, quando solicitados. Eles precisam de tombos para aprender a conhecer os obstáculos dos caminhos.
  • A superproteção prejudica mais do que o abandono – este pode deixar a pessoa insegura, mas ela tem que se virar para sobreviver e acaba adquirindo autoconfiança ao conseguir se superar. Já a superproteção não dá a chance da criança ou jovem experimentar um desafio sequer e nem saber se tem potencial ou não, o que compromete a construção de sua autoestima.
  • E, finalizando, cuidado para não confundir amor com apego. O amor é suave, calmo e equilibrado. O apego é sofrido, magoado, ferido…. Quem ama de verdade não cobra reconhecimento e deixa os filhos crescerem; quem é apegado, quer sempre mantê-los sob seu controle.

Pense nisso com carinho!

Eliana Barbosa é life coach, psicoterapeuta, articulista de jornais e de revistas de circulação nacional e internacional, autora de vários livros no campo do autodesenvolvimento,  apresentadora de programas em TV e rádio, e ministra  palestras e cursos transformacionais no Brasil e nos Estados Unidos. Contato: eliana@elianabarbosa.com.br

 

ATENDIMENTOS 2

POR QUE TANTOS ABORRECIMENTOS?

comsumer-complaints

(Autoria de Eliana Barbosa*)

 

É provável que, em sua vida, você já tenha passado por fases complicadas, em que dia após dia, surgia um problema, ou um acidente, mais um motivo para sofrer…. É possível até que, nesse momento, você esteja passando por isso…

Então, eu te convido para refletir comigo sobre os fatores que podem desencadear os aborrecimentos em sua vida:

  • Sentir-se vítima – Será que você é uma pessoa que se sente vítima de outras pessoas ou de sua própria condição de vida? Esse sentimento tão venenoso é como um pântano no qual você irá se afundar cada vez mais. Aprenda a se levantar, sacudir a lama e dar a volta por cima, assumindo total responsabilidade pelo seu bem-estar, saúde e equilíbrio.
  • Reclamar demais – Você é alguém que só vê motivos para reclamar, para colocar defeitos em tudo, cheio de muxoxos por onde vai? Cuidado… A vida se encarrega de trazer para você mais motivos para reclamar! Assim, minha sugestão é que, a partir de hoje, agora mesmo, você desenvolva em si um genuíno sentimento de gratidão por tudo que lhe acontece, até pelos desafios, pessoas e experiências ruins ao longo de sua jornada. Com a gratidão, você atrairá para perto de você mais motivos para agradecer!
  • Pensar e viver só para si e sua família – Talvez sua família absorva seu tempo e energia, e você pense que o seu propósito, nessa existência, seja fazer a diferença para si mesmo e sua família…. Engano seu! Claro que toda caridade deve começar no lar, mas é fundamental que você volte seu olhar também para a comunidade onde vive, descobrindo uma forma eficaz de contribuir, sem esperar nada em troca! Descubra um trabalho voluntário para fazer, e aproveite todo o seu tempo envolvido nas redes sociais para espalhar o bem, através de ideias construtivas e mensagens edificantes.
  • E, finalizando, a maledicência – Talvez você até seja uma pessoa que deseje e pratique o bem para os outros, mas se você é alguém que gosta de comentar o mal e fazer fofocas, então o maior mal que você está fazendo é a si mesmo! Essa energia tóxica volta toda para você na forma de doenças, dores inexplicáveis, acidentes, perseguição no trabalho, e muitos outros aborrecimentos, que só dependem da sua reforma interior para serem evitados.

Pense nisso com carinho!!!

(*Eliana Barbosa é psicoterapeuta, life coach, escritora e palestrante no campo do autodesenvolvimento e apresentadora em TV e rádio)

 

ATENDIMENTOS 2

DEPRESSÃO NAS MULHERES

depressao-cerebro-disfuncao-cognitiva-size-598

(Autoria de Eliana Barbosa*)

É comum, em meu trabalho, receber e-mails e telefonemas de mulheres com sérios questionamentos sobre a depressão e, então, aproveito este espaço para compartilhar com você algumas informações de extrema importância.

Segundo estatísticas mundiais, a depressão é duas vezes mais frequente entre as mulheres do que entre os homens. Isso se explica principalmente pelas flutuações hormonais às quais as mulheres estão expostas ao longo da vida, mas há outros fatores emocionais, genéticos e sociais que também podem levar à depressão.

A depressão vai além da tristeza.

É um estado de “baixo astral” que pode se prolongar até por anos, se não for tratada, onde se manifestam sentimentos pessimistas (inutilidade, culpa, desejo de morrer, etc), perda da autoestima, da autoconfiança e da motivação em atividades antes consideradas prazerosas pela pessoa.

Ela pode ser endógena (mais séria e decorrente de um desequilíbrio neuroquímico do cérebro ou de predisposição hereditária), ou reativa (decorrente de aborrecimentos externos, adversidades, decepções, perdas de entes queridos etc.).

Sendo a depressão uma doença, deve ser encarada e tratada como tal. Por isso, a importância dos medicamentos antidepressivos durante o tratamento psiquiátrico, aliados à psicoterapia e até às terapias alternativas.

E a boa notícia é que com o tratamento correto, 70% a 90% dos pacientes recuperam-se da depressão.

Eis, então, algumas posturas positivas essenciais para você evitar a depressão em sua vida:

  • Pare de cobrar perfeição de si mesma e dos outros.
  • Evite colocar expectativas nas outras pessoas – esse é o caminho para as decepções e ressentimentos.
  • Aceite a natureza das pessoas à sua volta e não perca seu tempo e saúde tentando mudá-las.
  • Combata em si mesma o medo de desagradar a quem quer que seja. Pare de engolir “sapos” e seja mais verdadeira com você, dizendo “não” para os outros, quando o seu coração pedir, sem se culpar por isso.
  • Cultive a espiritualidade, o que vai proporcionar sentido para sua vida.
  • Amplie sua fé – em Deus, em você mesma e nas pessoas confiáveis à sua volta.
  • Procure realizar algum trabalho voluntário, que vai lhe proporcionar mais prazer, senso de utilidade e valorização da própria vida.
  • E fuja do sentimento de autopiedade – ele é um grande imã para as doenças, como uma forma inconsciente de chamar a atenção daqueles que a cercam.

  Pense nisso com carinho!

 (*Eliana Barbosa é psicoterapeuta, life coach, escritora e palestrante no campo do autodesenvolvimento e apresentadora em TV e rádio)

 

E, se mesmo com estas dicas, você ainda se sente frágil, precisando melhorar sua autoestima e autoconfiança, e aprender a se relacionar de forma saudável e positiva, então EU TE CONVIDO:

projeto-voce-melhor-em-30-dias

 

 

ATENDIMENTOS 2

BRILHO DE MULHER

 

 Depositphotos_4815623_original-e1403011709678

(Autoria de Eliana Barbosa*)

Que maravilha para nós, mulheres, termos ao menos um dia no ano para sermos paparicadas e homenageadas por todos os lugares onde passamos, nas propagandas da TV, nos jornais, nas mensagens que chegam pela Internet!

Que bom será quando as mulheres tiverem seu valor e seu brilho reconhecidos assim no dia-a-dia, na rotina do seu trabalho ou da vida em família.

Pois é…  Para que isso tudo se torne uma constante na vida feminina, ao contrário do que muitas mulheres pensam, não depende dos outros, dos maridos, dos filhos, dos namorados, dos pais.

Depende sim da postura de cada mulher diante de si mesma, do valor que ela credita para a sua pessoa, da nota que ela dá para si mesma.

Como uma mulher insegura de suas qualidades pode querer ser reconhecida e respeitada pelos outros?

Como uma mulher que só valoriza as aparências vai se sentir bem consigo mesma se a perfeição ainda não faz parte deste mundo?

Daí tanta insatisfação feminina e tantos relacionamentos infelizes, porque quem não se ama com paixão é incapaz de amar verdadeiramente o outro, sem cobranças e condições.

Quem acredita e procura sua “cara-metade” está ainda bem longe de se realizar como pessoa, porque duas pessoas-metades jamais formarão um par harmonioso.

Portanto, mulher moderna, seja você cada vez mais completa, mais “senhora do seu destino”, permita-se brilhar, sem querer competir com os homens – nossos companheiros de jornada nesta vida – e sim, caminhando ao lado deles, incentivando e sendo incentivada, amando e sendo amada!

Já caiu por terra o velho ditado que fala que “por trás de um grande homem existe uma grande mulher”, porque, hoje, está provado que é ao lado de um grande homem que está uma grande mulher e vice-versa.

E que os homens possam ver as mulheres não como ameaça para eles, mas como doces e, ao mesmo tempo, fortes aliadas para seu crescimento pessoal e profissional.

Encerro esta homenagem às mulheres com um bem-humorado texto extraído do livro Histórias para aquecer o coração das mulheres, de Jack Canfield e outros autores:

“Thomas Wheeler, alto executivo de uma multinacional, viajava com sua mulher por uma estrada interestadual quando notou que o carro estava com pouca gasolina.

Ele parou num posto muito simples, com apenas uma bomba de combustível.

Pediu ao único atendente que enchesse o tanque e verificasse o óleo enquanto ele dava uma volta para esticar as pernas.

Voltando ao carro, percebeu que o frentista e sua mulher estavam num papo animado.

A conversa parou enquanto Wheeler pagava pela gasolina.

Mas, ao retornar ao carro, ele viu o rapaz acenar e dizer: ‘Foi ótimo falar com você!’ 

Ao sair do posto o marido perguntou à mulher se ela conhecia o atendente.

Imediatamente ela admitiu que sim. Tinham freqüentado a mesma escola e ela o namorara por cerca de um ano.

‘Puxa, você teve sorte de eu ter aparecido!’ – Wheeler se vangloriou. ‘Se tivesse casado com ele, seria agora a esposa de um frentista de posto de gasolina em vez de ser esposa de um alto executivo!’

‘Meu querido,’ – respondeu a mulher – ‘se eu tivesse me casado com ele, ele seria o alto executivo e você, o frentista do posto de gasolina.’”

(*Eliana Barbosa é psicoterapeuta, life coach, escritora e palestrante no campo do autodesenvolvimento e apresentadora em TV e rádio)

============

E, se mesmo com estas dicas, você ainda se sente frágil, precisando melhorar sua autoestima e autoconfiança, e aprender a se relacionar de forma saudável e positiva, então EU TE CONVIDO:

projeto-voce-melhor-em-30-dias

ABUSO EMOCIONAL INFANTIL

ABUSO EMOCIONAL INFANTIL

(Por Eliana Barbosa*)

Algo que sempre me comove é a vulnerabilidade das crianças, não só física, mas também, emocional.

Felizmente, as leis são duras para quem abusa fisicamente de uma criança, porém,  são muito fracas no caso do abuso emocional, que a meu ver, é um grande crime, um verdadeiro massacre contra a integridade psicológica de uma criança ou jovem.

É grande o número de pais e mães totalmente despreparados para educar seus filhos com amor maduro, sem apego, nem chantagens e cobranças – que geram culpa, remorso e desejo inconsciente de autopunição nas crianças.

Estes casos são mais frequentes em pais solteiros ou separados, que não conseguem administrar seus próprios sentimentos e despejam toda a sua frustração nos filhos.

Vou dar alguns exemplos aqui do que vejo como abuso emocional, e que, em alguns casos, se configuram como alienação parental, segundo a lei:

– Ficar questionando a criança de quem ela gosta mais – isso causa pressão, confusão mental e culpa. Os pais precisam respeitar as afinidades da criança.

– Usar o filho como mensageiro para levar recados ao outro genitor – criança não merece se envolver nos problemas dos adultos.

– Usar a criança como espiã do outro genitor – isso gera ansiedade e sentimento de estar traindo um dos pais.

– Chorar, fazendo-se de vítima para conseguir atenção e afeto da criança, ou ficar dizendo que está ficando velho, vai morrer, que está triste…  – uma desumanidade, que gera no filho um pernicioso sentimento de culpa, e que, com o passar do tempo,  acaba afastando-o mais deste genitor.

– Falar mal do outro genitor ou da família dele – isso causa muita incerteza na criança, levando-a a comportamentos agressivos e até à depressão.

– Dizer ao filho que está magoado porque ele demonstra gostar também do outro genitor – mais um motivo para a criança se sentir confusa e culpada.

– Colocar nas mãos da criança decisões que cabem aos adultos, como por exemplo, com quem ela gostaria de morar, e ficar pressionando-a nessa questão.

Enfim, são tantos outros exemplos, mas fica aqui o meu recado para que pais e mães procurem ler mais sobre o quanto o seu equilíbrio emocional é fundamental para a felicidade de seus filhos.

E guardem bem: Criança nenhuma merece carregar o peso das frustrações dos pais em suas costas!

(* Psicoterapeuta, life coach, palestrante, apresentadora de TV e autora de livros no campo do autodesenvolvimento. Contato: eliana@elianabarbosa.com.br)

 

ATENDIMENTOS 2

 

 

 

VOCÊ TEM MEDO DE CASAR? Entrevista para Folha Universal

c43f872959

ENTREVISTA COM ELIANA BARBOSA PARA MATÉRIA DA FOLHA UNIVERSAL, PUBLICADA EM FEVEREIRO DE 2018 (JORNALISTA JANAINA MEDEIROS) 

1 – Por que algumas pessoas têm medo de se casar ou de assumir um compromisso sério com alguém? (Mulheres e homens).

Esse receio de se casar ou assumir um compromisso mais sério com alguém pode ter várias causas, dentre elas as crenças limitantes em relação a casamento, geralmente originárias de algum trauma com o casamento dos pais, e também o medo de perder a liberdade, de ter que dar satisfação dos seus passos para outra pessoa, e até egoísmo mesmo, por não querer dividir sua vida com mais ninguém.

2 – Há casos em que existe uma fobia mesmo?

 Sim, existe aquele medo incontrolável e excessivo do casamento ou do compromisso, chamado de Gamofobia, geralmente decorrente de algum trauma, e causador de grande sofrimento emocional, devido às ideias pessimistas em relação à vida a dois, também por causa da estranheza desse medo e a culpa que pode gerar na pessoa que o tem.

3 – Por que muitas pessoas que se desiludem sentimentalmente pensam em viver por muito tempo sozinhas?

Talvez pela dor da experiência negativa que passaram, muitas pessoas optam por uma vida mais solitária, o que, a meu ver, não é ruim. Depois de uma decepção amorosa é sempre bom a pessoa tomar um tempo para resgatar o seu amor próprio, aprimorar sua autoestima e autoconfiança, para que possa, em um novo momento, atrair alguém também inteiro e descomplicado. O grande erro que vejo são pessoas que sofreram desilusão no amor procurar a cura em um novo relacionamento. Isso nunca dá certo, porque ninguém deve ser remédio para o outro, ou muleta para as deficiências emocionais do outro.  É preciso estar bem para atrair alguém com quem valha a pena compartilhar a própria vida.

 4 – Ultimamente, temos visto noticias de mulheres se casando consigo mesmas, mostrando que são bem mais realizadas solteiras. Os defensores do autocasamento dizem que isso se trata de amor próprio e aceitação individuais. Elas estão camuflando, mascarando uma situação, um bem-estar que não é verdadeiro? Comente sobre isso. 

Cada caso é um caso, é impossível julgar sem conhecer as pessoas. Pode ser que haja casos de mulheres que tomam essa atitude numa forma de demonstrar que estão bem resolvidas em relação à vida solitária, ou que usem esse ritual para marcarem uma nova etapa de suas vidas. Na verdade, mesmo sem ritual, todas as mulheres e os homens deveriam se lembrar de que o seu primeiro e maior amor precisa ser por eles mesmos, com autoaceitação e disposição para serem melhores, dia a dia. Só quem se ama e se respeita de verdade é capaz de atrair amor e respeito para uma vida a dois leve e tranquila.

 5 – Muitas pessoas tem uma ideia errada do casamento como instituição?

Acredito que sim, talvez pelas crenças (aquelas “verdades”) que os pais incutiram em suas cabeças, ao longo de sua criação.  Por exemplo: Muitos homens cresceram ouvindo que casamento é prisão, e as mulheres ouviam que casamento é sacrifício. Ter esse tipo de crença leva muita gente a temer ou mesmo correr do casamento.

 6 – Algumas pessoas tem uma experiência anterior ruim na vida amorosa e aí dizem: “antes só do que mal acompanhada”. Sabemos que se o relacionamento era muito mal, abusivo, lhe prejudicava, era melhor que tivesse terminado mesmo. Porém, porque a pessoa não pode pensar da seguinte forma: “antes bem acompanhado do que mal acompanhado” e, daí, lutar para ter um bom relacionamento?

Pois é, mas para conseguir atrair para sua vida alguém que seja um bom companheiro, a pessoa precisa primeiro se sentir a sua melhor companhia, estar bem com a sua própria presença. Os fracassos e decepções nas relações acontecem, de forma geral, justamente porque as pessoas colocam mais expectativas e amor nos parceiros do que em si mesmas, em primeiro lugar. 

7 –  O que a pessoa que já passou por uma desilusão amorosa pode fazer para não sentir “medo” de se casar ou de ter um compromisso sério?

O primeiro passo é resgatar sua autoestima, aprender a se valorizar e parar de mendigar o amor dos outros. Quando a pessoa estiver se sentindo bem com ela mesma, autoconfiante, todo o medo de se comprometer irá se desfazer, porque ela sabe que merece agora ser amada e respeitada da mesma forma como ela se ama e se respeita.

8 – Como a pessoa pode parar de alimentar esse medo?

Além de trabalhar o aprimoramento de sua autoestima, eu sempre aconselho que a pessoa pare de comentar suas mazelas no amor, as decepções pelas quais passou, e comece a observar, ao seu redor, quantas uniões são felizes e duradouras, e aprenda como se comportam esses parceiros. Outra dica é usar a gratidão por antecipação, repetindo pra si mesmo, dia e noite, noite e dia: “Sou feliz e grato pelo relacionamento maravilhoso que tenho, muito obrigado!” Esta é uma boa tática para colocar a Lei da Atração em ação.

(Eliana Barbosa é psicoterapeuta, life coach, escritora e palestrante no campo do autodesenvolvimento. Contato: www.elianabarbosa.com.br e eliana@elianabarbosa.com.br )

Link da matéria (resumida), no site da Folha Universal:  https://www.universal.org/noticias/voce-tem-medo-de-casar

E, abaixo, um vídeo que gravei para complementar essa matéria, apresentado na Realidade Aumentada, para os leitores do jornal:

 

 

ATENDIMENTOS 2