Todos os artigos de Eliana Barbosa

O QUE SÃO CRENÇAS LIMITANTES (e Como Resolvê-las)?

 

1-crenca-limitante

(Autoria de Juan O’Keeffe)

Imagine que você queira aprender a tocar violão.

Você adora música e sempre sonhou saber tocar violão. Mas quando era criança achava que não sabia desenhar tão bem quanto os colegas de aula.

Então você cresce achando que não têm talento artístico.

Aí quando você pensa em aprender violão vêm aquela voz interior e diz “Não tenho talento artístico. Melhor nem tentar.”.

Então você desiste de tentar aprender porque acha que não vai conseguir.

Essa é uma crença limitante.

Crença limitante é algo em que você acredita e que limita você de alguma forma.

Alguns exemplos:
• Não sou bom em matemática por isso não posso fazer faculdade de engenharia.
• Nunca vou emagrecer porque não tenho disciplina para manter a dieta e praticar exercícios.
• Tenho que casar com alguém da mesma religião pois minha família não aceitaria uma pessoa de outra.
• Não sou um técnico de eletrônica bom o suficiente para ganhar dinheiro com isso.
• Posso me dar mal se mudar de emprego.
• Não posso ser advogado pois minha família quer que eu seja um médico.
• Mulheres só têm interesse em homens com muito dinheiro.
• Devo trabalhar aqui pois não conseguiria emprego em outro lugar.
• Não sou tão bom quanto eles para entrar nessa disputa.
• Devo continuar no casamento para manter as aparências.
• Não posso viajar de avião pois é muito perigoso.

Algumas clássicas:
• Não tenho as qualificações necessárias.
• É tarde demais.
• Não sei por onde começar.
• Já tenho responsabilidades demais.
• Nunca funcionou antes.
• Sempre chego tarde demais.
• Não tenho conhecimento suficiente.
• Estou muito fora de forma.
• A vida é muito complicada.

As crenças limitantes são uma espécie de desculpa para não fazer o que você realmente gostaria de fazer. Elas nos mantém na nossa zona de conforto e segurança. Isso pode limitar muito o seu desenvolvimento pessoal e conquista dos seus objetivos.

Uma coisa importante de perceber é que muitas vezes essas crenças limitantes são coisas da nossa cabeça que não condizem de fato com a realidade. Existem apenas pois você está dizendo a si mesmo que aquilo é uma realidade.

Mudando o pensamento, você pode mudar também.

Alimentar a crença de que mulheres só têm interesse em homens com muito dinheiro é apenas uma forma de você arrumar uma desculpa a si mesmo para não procurar uma mulher. Obviamente existem muitas mulheres com homens com pouco dinheiro por aí.

Agora tente lembrar da última vez que você queria alguma coisa e não conseguiu. Muito possivelmente foi uma crença limitante que parou você.

Se você parar para pensar, perceberá que muitas das dificuldades e frustrações da vida são derivadas das nossas crenças limitantes.

Por isso, se você quer atingir seus objetivos, livre-se das crenças limitantes que não fazem sentido. Libertando-se delas abrimos espaço para seguir adiante no caminho da vida.

No meu caso, uma crença limitante que tenho é que não me acho bom em design gráfico. Como então posso ter um website? É simples. Encontro uma alternativa e dou um jeito.

Por isso, quando preciso de um trabalho de design (por exemplo, criação de um logotipo) terceirizo o serviço. Mas de uns tempos pra cá tenho arriscado um pouco mais e quando são coisas mais simples, por exemplo, editar uma imagem, colocar texto numa foto ou algo assim, já tenho tomado mais coragem e vou em frente e eu mesmo faço.

As próprias fotos do meu site sou eu que pesquiso, escolho e faço edições simples quando necessário. Ainda tenho a crença de que não sou muito bom nessa questão de design, mas não deixei que isso fosse empecilho para eu criar meu site e fazer o que preciso fazer.

Observe também se você utiliza de afirmações permanentes. Dizer algo como “Eu não sou bom o suficiente” não deixa espaço para você melhorar. Você está dizendo a si mesmo que não é agora e não será no futuro.

Ou seja, você está desistindo ali mesmo. Em vez disso dizer algo como “Ainda não cheguei lá mas estou aprendendo” levará você muito mais longe.

Por quê temos crenças limitantes?

Existem diferentes fontes de crenças limitantes. Alguns exemplos:

Experiências
Vamos supor que você tenha criado um negócio que não deu certo. Talvez dessa experiência surja uma crença limitante dizendo que você não conseguirá criar um novo negócio que dê certo pois já tentou uma vez e deu errado.

Lógica equivocada
Muitas vezes é uma questão de lógica equivocada. No próprio exemplo acima, não quer dizer que o fato do primeiro negócio que você tentou deu errado que os outros também vão dar.

Como diria Thomas Edison, “Eu não falhei. Apenas tentei 10.000 maneiras que não funcionam”.

Desculpa
Pode ser que no fundo você não queira realmente ir em frente. Então fica arrumando desculpas a si mesmo. Por exemplo, você pode dizer que não têm disciplina para fazer uma dieta e emagrecer. No fundo pode ser que você realmente não queira ficar longe do que gosta de comer.

Medo
medo é sem dúvida bastante limitante. Vamos dizer que você tenha medo de avião adotando a crença de que andar de avião é perigoso. Na verdade é sabido que avião é o meio de transporte mais seguro que existe. Mas isso acaba não sendo o mais importante na decisão.

Círculo social
Família, amigos, colegas e as pessoas que de forma geral fazem parte do seu dia a dia podem ser uma fonte de crenças limitantes para você.

Digamos que um colega seu relate uma experiência em que passou mal após comer sushi e que isso aconteceu pois é feito com carne crua.

Você pode desenvolver uma crença limitante de que comer sushi faz mal pra saúde impedindo você de desfrutar dessa culinária.

Religião
A religião é famosa por doutrinar às pessoas gerando diversas crenças limitantes. Possuem até um termo específico para isso “pecado”.

Para um gay não assumido ouvir do padre da sua Igreja que ser gay é pecado pode ser um grande limitador para assumir sua homosexualidade.

Sociedade
Padrões de beleza é um dos exemplos de coisas que podem se tornar uma crença limitante para as pessoas.

Uma jovem bonita pode achar criar uma crença de que nunca conseguirá um namorado pois não segue os padrões de beleza adotados pela sociedade.

Crença vs fatos

Crenças não necessariamente são fatos. Muitas vezes não existe correlação entre crença e realidade. Aí é que encontra-se a oportunidade.

Se você acredita que é tarde demais, pode ser que não seja. Essa é a sua chance.

A crença limitante não têm embasamento. É apenas uma crença errada. Livrar-se dela é algo benéfico. Diferente de fatos. Esses são reais e contra esses não há nada que se possa fazer. O segredo é saber diferenciar entre os dois.

Claro, eventualmente a crença pode ter fundamento. Vamos dizer que você acredita que não é possível aprender falar inglês fluentemente em apenas uma semana. Se você pensa isso, concordo com você.

Pode aprender algumas palavras, algumas frases. Até mesmo engajar num pequeno diálogo. Mas fluentemente certamente não vai conseguir.

Ou se você tem ambição de virar jogador de basquete profissional mas têm um metro e meio de altura realmente eu diria que as chances são pequenas.

Mas mesmo assim não é impossível. Muggsy Bogues é uma prova disso. Com apenas 1,60 m chegou à NBA, a liga de basquete profissional norte-americana [1]. Lembre-se sempre do que disse Nelson Mandela, “Sempre parece impossível. Até que seja feito.”.

Mas esses são casos extremos. Muitas vezes temos crenças limitantes sobre coisas muito mais próximas do nosso alcance de serem realizadas.

O segredo está em saber diferenciar o que é simplesmente uma crença que pode ser superada do que é uma realidade que não têm como ser mudada.

A maior parte das coisas que você quer alcançar pode ser alcançada. Você só precisa sair da frente do seu próprio caminho.

Como descobrir suas crenças limitantes?

Para descobrir suas crenças limitantes pense sobre algo que você gostaria de fazer e não faz. Então procure a justificativa que você encontra para não fazer. Essa justificativa geralmente está no “porque” da frase.

Por exemplo, vamos dizer que você diga “Não posso conseguir um bom emprego porque não tenho curso superior.”; “Não posso tomar a iniciativa porque isso é o homem que deve fazer.”; “Não posso ter um negócio próprio porque a economia está ruim.”

Assim que você encontra uma justificativa para não fazer algo, você não irá fazê-lo.

Como superar crenças limitantes?

1) Identifique uma das suas crenças limitantes

Pense no que você gostaria de fazer e porquê não está fazendo. O que está impedindo?

Tome nota da sua crença limitante.

2) Reconheça que é apenas uma crença

Reconheça que a sua crença pode não passar de uma crença que não é verdade.

3) Conteste a sua própria crença.

Questione a sua crença levantando questões como estas:

• Essa crença realmente têm fundamento? Quais são os fatos que comprovam?
• Eu sempre pensei dessa forma? Se não, o que mudou?
• Existem evidências contrárias à minha crença?
• As outras pessoas concordam com essa crença?
• Como seria pensar exatamente no oposto dessa crença?
• Essa crença está me ajudando a progredir nos meus objetivos?
• Como eu pensaria sobre essa crença se eu fosse outra pessoa (Einstein, Steve Jobs, um empresário, um médico etc…)

Muitas dessas questões podem parecer estranhas, mas ajudam você a ampliar sua perspectiva sobre o assunto. Exercitam o pensamento “fora da caixa”.

Ao argumentar contra o seu próprio pensamento inicial muitas vezes você pode perceber que não é bem como você estava pensando levando você a mudar o paradigma para algo mais positivo e encorajador:

“Conheço o fulano de tal que têm um excelente emprego e não têm curso superior. Se ele pode também posso.”; “Tenho uma amiga que tomou a iniciativa no relacionamento e está namorando com o cara até hoje.”; “Têm muitas empresas que abrem negócios quando a economia está ruim e sucedem.”

4) Perceba as consequências

Quais são as consequências de se agarrar à sua crença limitante? Se agarrar a crença de que você não é capaz de passar num concurso público porque falhou na sua primeira tentativa pode privar você de passar no futuro e ter uma vida melhor.

5) Adote uma nova crença

Escolha algo novo em que acreditar. Algo que irá ajudar a melhorar a sua vida. Pode não ser fácil essa transição.

Dependendo do tempo que você pensou e viveu àquilo que levou você a crer no que crê pode ter criado um vínculo emocional muito grande e enraizado a crença com muita força.

Mas se você quer ir em frente e mudar precisará ter força e coragem de fazer essa mudança de pensamento e adotar a nova crença.

6) Coloque em prática

Tome uma atitude e comece a implementar coisas que suportem a sua nova crença. Vamos dizer que você tinha uma crença limitante que dizia “Sou velho demais para iniciar a praticar exercícios”. Depois de passar pelos passos anteriores você resolveu adotar uma nova crença “Nunca é tarde para começar”. Então hoje mesmo sai para dar uma caminhadinha de 15 minutos para começar a prática de exercícios e criar o hábito a partir daí.

Enfim, o mais importante é entender que as crenças limitantes fazem com que você viva abaixo do seu potencial, mas essas crenças podem ser mudadas. Reformatar o seu pensamento pode resultar em conquistas magníficas para sua vida.

Grande abraço!
Juan O’Keeffe

Fonte: https://www.evolucaopessoal.com.br/o-que-sao-crencas-limitantes

 

 

ATENDIMENTOS 2

CONSELHOS DE UMA GRANDE MULHER – OPRAH WINFREY

oprah

A apresentadora de TV norte-americana Oprah Winfrey traz seus sábios conselhos, a respeito dos HOMENS  
  • Se um homem quer você, nada pode mantê-lo longe. Se ele não a quer, nada pode fazê-lo ficar.
  • Pare de dar desculpas (de arranjar justificativas) para um homem e seu comportamento.
  • Permita que sua intuição (ou espírito) a proteja das mágoas.
  • Pare de tentar se modificar para uma relação que não tem que acontecer.
  • Mais devagar é melhor. Nunca dedique sua vida a um homem antes que você encontre o que realmente a faz feliz.
  • Se uma relação terminar porque o homem não a tratou como você merecia, “mande pro inferno, esqueça!”, vocês não podem “ser amigos”. Um amigo não destrataria outro amigo.
  • Se você sente que ele está enrolando você, provavelmente é porque ele está mesmo. Não continue (a relação) porque você acha que “ele vai melhorar”. Você vai se chatear daqui um ano por continuar a relação quando as coisas ainda não estiverem melhores.
  • A única pessoa que você pode controlar em uma relação é você mesma.
  • Evite homens que têm um monte de filhos, e de um monte de mulheres diferentes. Ele não casou com elas quando elas ficaram grávidas, então, porque ele a trataria diferente?
  • Sempre tenha seu próprio círculo de amizade, separadamente do dele.
  • Coloque limites no modo como um homem a trata. Se algo a irritar, faça um escândalo.
  • Nunca deixe um homem saber de tudo. Mais tarde ele usará isso contra você.
  • Você não pode mudar o comportamento de um homem. A mudança vem de dentro.
  • Nunca o deixe sentir que ele é mais importante que você… mesmo se ele tiver um maior grau de escolaridade ou um emprego melhor.
  • Não o torne um semi-deus. Ele é um homem, nada além ou aquém disso.
  • Nunca deixe um homem definir quem você é.
  • Nunca pegue o homem de alguém emprestado. Se ele traiu alguém com você, ele a trairá também.
  • Um homem vai tratá-la do jeito que você permita que ele a trate.
  • Todos os homens NÃO são cachorros.
  • Você não deve ser a única a fazer tudo… Compromisso é uma via de mão dupla.
  • Você precisa de tempo para se cuidar entre as relações… Não há nada precioso quanto viajar… Veja as suas questões antes de um novo relacionamento.
  • Você nunca deve olhar para alguém sentindo que a pessoa irá completá-la… Uma relação consiste de dois indivíduos completos… Procure alguém que irá complementá-la… Não suplementar.
  • Namorar é bacana… mesmo se ele não for o esperado Sr. Correto.
  • Faça-o sentir falta de você algumas vezes… Quando um homem sempre sabe que você está lá, e que você está sempre disponível para ele – ele se acha…
  • Nunca se mude para a casa da mãe dele.
  • Nunca seja cúmplice de um homem.
  • Não se comprometa completamente com um homem que não lhe dá tudo o que você precisa. Mantenha-o em seu radar, mas conheça outros…
  • Compartilhe isso com outras mulheres e homens (de modo que eles saibam)… Você fará alguém sorrir, outros repensarem sobre as escolhas, e outras mulheres se prepararem.
  • Dizem que se gasta um minuto para encontrar alguém especial, uma hora para apreciar esse alguém, um dia para amá-lo e uma vida inteira para esquecê-lo.
  • “O medo de ficar sozinha faz que várias mulheres permaneçam em relações que são abusivas e lesivas” (Dr. Phill)
  • Você deve saber que você é a melhor coisa que pode acontecer para alguém e se um homem a destrata, é ele que vai perder uma coisa boa.
  • Se ele ficou atraído por você à primeira vista, saiba que ele não foi o único. Todos eles estão vendo você, então você tem várias opções. Faça a escolha certa.Meninas, cuidem bem de seus corações…

150px-Oprah_Winfrey_Signature.svg

 

E, se mesmo com estas dicas, você ainda se sente frágil, precisando melhorar sua autoestima e autoconfiança, e aprender a se relacionar de forma saudável e positiva, então EU TE CONVIDO:

projeto-voce-melhor-em-30-dias

 

 

 

 

DEPRESSÃO NAS MULHERES

depressao-cerebro-disfuncao-cognitiva-size-598

(Autoria de Eliana Barbosa*)

É comum, em meu trabalho, receber e-mails e telefonemas de mulheres com sérios questionamentos sobre a depressão e, então, aproveito este espaço para compartilhar com você algumas informações de extrema importância.

Segundo estatísticas mundiais, a depressão é duas vezes mais frequente entre as mulheres do que entre os homens. Isso se explica principalmente pelas flutuações hormonais às quais as mulheres estão expostas ao longo da vida, mas há outros fatores emocionais, genéticos e sociais que também podem levar à depressão.

A depressão vai além da tristeza.

É um estado de “baixo astral” que pode se prolongar até por anos, se não for tratada, onde se manifestam sentimentos pessimistas (inutilidade, culpa, desejo de morrer, etc), perda da autoestima, da autoconfiança e da motivação em atividades antes consideradas prazerosas pela pessoa.

Ela pode ser endógena (mais séria e decorrente de um desequilíbrio neuroquímico do cérebro ou de predisposição hereditária), ou reativa (decorrente de aborrecimentos externos, adversidades, decepções, perdas de entes queridos etc.).

Sendo a depressão uma doença, deve ser encarada e tratada como tal. Por isso, a importância dos medicamentos antidepressivos durante o tratamento psiquiátrico, aliados à psicoterapia e até às terapias alternativas.

E a boa notícia é que com o tratamento correto, 70% a 90% dos pacientes recuperam-se da depressão.

Eis, então, algumas posturas positivas essenciais para você evitar a depressão em sua vida:

  • Pare de cobrar perfeição de si mesma e dos outros.
  • Evite colocar expectativas nas outras pessoas – esse é o caminho para as decepções e ressentimentos.
  • Aceite a natureza das pessoas à sua volta e não perca seu tempo e saúde tentando mudá-las.
  • Combata em si mesma o medo de desagradar a quem quer que seja. Pare de engolir “sapos” e seja mais verdadeira com você, dizendo “não” para os outros, quando o seu coração pedir, sem se culpar por isso.
  • Cultive a espiritualidade, o que vai proporcionar sentido para sua vida.
  • Amplie sua fé – em Deus, em você mesma e nas pessoas confiáveis à sua volta.
  • Procure realizar algum trabalho voluntário, que vai lhe proporcionar mais prazer, senso de utilidade e valorização da própria vida.
  • E fuja do sentimento de autopiedade – ele é um grande imã para as doenças, como uma forma inconsciente de chamar a atenção daqueles que a cercam.

  Pense nisso com carinho!

 (*Eliana Barbosa é psicoterapeuta, life coach, escritora e palestrante no campo do autodesenvolvimento e apresentadora em TV e rádio)

 

E, se mesmo com estas dicas, você ainda se sente frágil, precisando melhorar sua autoestima e autoconfiança, e aprender a se relacionar de forma saudável e positiva, então EU TE CONVIDO:

projeto-voce-melhor-em-30-dias

 

 

ATENDIMENTOS 2

BRILHO DE MULHER

 

 Depositphotos_4815623_original-e1403011709678

(Autoria de Eliana Barbosa*)

Que maravilha para nós, mulheres, termos ao menos um dia no ano para sermos paparicadas e homenageadas por todos os lugares onde passamos, nas propagandas da TV, nos jornais, nas mensagens que chegam pela Internet!

Que bom será quando as mulheres tiverem seu valor e seu brilho reconhecidos assim no dia-a-dia, na rotina do seu trabalho ou da vida em família.

Pois é…  Para que isso tudo se torne uma constante na vida feminina, ao contrário do que muitas mulheres pensam, não depende dos outros, dos maridos, dos filhos, dos namorados, dos pais.

Depende sim da postura de cada mulher diante de si mesma, do valor que ela credita para a sua pessoa, da nota que ela dá para si mesma.

Como uma mulher insegura de suas qualidades pode querer ser reconhecida e respeitada pelos outros?

Como uma mulher que só valoriza as aparências vai se sentir bem consigo mesma se a perfeição ainda não faz parte deste mundo?

Daí tanta insatisfação feminina e tantos relacionamentos infelizes, porque quem não se ama com paixão é incapaz de amar verdadeiramente o outro, sem cobranças e condições.

Quem acredita e procura sua “cara-metade” está ainda bem longe de se realizar como pessoa, porque duas pessoas-metades jamais formarão um par harmonioso.

Portanto, mulher moderna, seja você cada vez mais completa, mais “senhora do seu destino”, permita-se brilhar, sem querer competir com os homens – nossos companheiros de jornada nesta vida – e sim, caminhando ao lado deles, incentivando e sendo incentivada, amando e sendo amada!

Já caiu por terra o velho ditado que fala que “por trás de um grande homem existe uma grande mulher”, porque, hoje, está provado que é ao lado de um grande homem que está uma grande mulher e vice-versa.

E que os homens possam ver as mulheres não como ameaça para eles, mas como doces e, ao mesmo tempo, fortes aliadas para seu crescimento pessoal e profissional.

Encerro esta homenagem às mulheres com um bem-humorado texto extraído do livro Histórias para aquecer o coração das mulheres, de Jack Canfield e outros autores:

“Thomas Wheeler, alto executivo de uma multinacional, viajava com sua mulher por uma estrada interestadual quando notou que o carro estava com pouca gasolina.

Ele parou num posto muito simples, com apenas uma bomba de combustível.

Pediu ao único atendente que enchesse o tanque e verificasse o óleo enquanto ele dava uma volta para esticar as pernas.

Voltando ao carro, percebeu que o frentista e sua mulher estavam num papo animado.

A conversa parou enquanto Wheeler pagava pela gasolina.

Mas, ao retornar ao carro, ele viu o rapaz acenar e dizer: ‘Foi ótimo falar com você!’ 

Ao sair do posto o marido perguntou à mulher se ela conhecia o atendente.

Imediatamente ela admitiu que sim. Tinham freqüentado a mesma escola e ela o namorara por cerca de um ano.

‘Puxa, você teve sorte de eu ter aparecido!’ – Wheeler se vangloriou. ‘Se tivesse casado com ele, seria agora a esposa de um frentista de posto de gasolina em vez de ser esposa de um alto executivo!’

‘Meu querido,’ – respondeu a mulher – ‘se eu tivesse me casado com ele, ele seria o alto executivo e você, o frentista do posto de gasolina.’”

(*Eliana Barbosa é psicoterapeuta, life coach, escritora e palestrante no campo do autodesenvolvimento e apresentadora em TV e rádio)

============

E, se mesmo com estas dicas, você ainda se sente frágil, precisando melhorar sua autoestima e autoconfiança, e aprender a se relacionar de forma saudável e positiva, então EU TE CONVIDO:

projeto-voce-melhor-em-30-dias

ABUSO EMOCIONAL INFANTIL

ABUSO EMOCIONAL INFANTIL

(Por Eliana Barbosa*)

Algo que sempre me comove é a vulnerabilidade das crianças, não só física, mas também, emocional.

Felizmente, as leis são duras para quem abusa fisicamente de uma criança, porém,  são muito fracas no caso do abuso emocional, que a meu ver, é um grande crime, um verdadeiro massacre contra a integridade psicológica de uma criança ou jovem.

É grande o número de pais e mães totalmente despreparados para educar seus filhos com amor maduro, sem apego, nem chantagens e cobranças – que geram culpa, remorso e desejo inconsciente de autopunição nas crianças.

Estes casos são mais frequentes em pais solteiros ou separados, que não conseguem administrar seus próprios sentimentos e despejam toda a sua frustração nos filhos.

Vou dar alguns exemplos aqui do que vejo como abuso emocional, e que, em alguns casos, se configuram como alienação parental, segundo a lei:

– Ficar questionando a criança de quem ela gosta mais – isso causa pressão, confusão mental e culpa. Os pais precisam respeitar as afinidades da criança.

– Usar o filho como mensageiro para levar recados ao outro genitor – criança não merece se envolver nos problemas dos adultos.

– Usar a criança como espiã do outro genitor – isso gera ansiedade e sentimento de estar traindo um dos pais.

– Chorar, fazendo-se de vítima para conseguir atenção e afeto da criança, ou ficar dizendo que está ficando velho, vai morrer, que está triste…  – uma desumanidade, que gera no filho um pernicioso sentimento de culpa, e que, com o passar do tempo,  acaba afastando-o mais deste genitor.

– Falar mal do outro genitor ou da família dele – isso causa muita incerteza na criança, levando-a a comportamentos agressivos e até à depressão.

– Dizer ao filho que está magoado porque ele demonstra gostar também do outro genitor – mais um motivo para a criança se sentir confusa e culpada.

– Colocar nas mãos da criança decisões que cabem aos adultos, como por exemplo, com quem ela gostaria de morar, e ficar pressionando-a nessa questão.

Enfim, são tantos outros exemplos, mas fica aqui o meu recado para que pais e mães procurem ler mais sobre o quanto o seu equilíbrio emocional é fundamental para a felicidade de seus filhos.

E guardem bem: Criança nenhuma merece carregar o peso das frustrações dos pais em suas costas!

(* Psicoterapeuta, life coach, palestrante, apresentadora de TV e autora de livros no campo do autodesenvolvimento. Contato: eliana@elianabarbosa.com.br)

 

ATENDIMENTOS 2

 

 

 

VOCÊ TEM MEDO DE CASAR? Entrevista para Folha Universal

c43f872959

ENTREVISTA COM ELIANA BARBOSA PARA MATÉRIA DA FOLHA UNIVERSAL, PUBLICADA EM FEVEREIRO DE 2018 (JORNALISTA JANAINA MEDEIROS) 

1 – Por que algumas pessoas têm medo de se casar ou de assumir um compromisso sério com alguém? (Mulheres e homens).

Esse receio de se casar ou assumir um compromisso mais sério com alguém pode ter várias causas, dentre elas as crenças limitantes em relação a casamento, geralmente originárias de algum trauma com o casamento dos pais, e também o medo de perder a liberdade, de ter que dar satisfação dos seus passos para outra pessoa, e até egoísmo mesmo, por não querer dividir sua vida com mais ninguém.

2 – Há casos em que existe uma fobia mesmo?

 Sim, existe aquele medo incontrolável e excessivo do casamento ou do compromisso, chamado de Gamofobia, geralmente decorrente de algum trauma, e causador de grande sofrimento emocional, devido às ideias pessimistas em relação à vida a dois, também por causa da estranheza desse medo e a culpa que pode gerar na pessoa que o tem.

3 – Por que muitas pessoas que se desiludem sentimentalmente pensam em viver por muito tempo sozinhas?

Talvez pela dor da experiência negativa que passaram, muitas pessoas optam por uma vida mais solitária, o que, a meu ver, não é ruim. Depois de uma decepção amorosa é sempre bom a pessoa tomar um tempo para resgatar o seu amor próprio, aprimorar sua autoestima e autoconfiança, para que possa, em um novo momento, atrair alguém também inteiro e descomplicado. O grande erro que vejo são pessoas que sofreram desilusão no amor procurar a cura em um novo relacionamento. Isso nunca dá certo, porque ninguém deve ser remédio para o outro, ou muleta para as deficiências emocionais do outro.  É preciso estar bem para atrair alguém com quem valha a pena compartilhar a própria vida.

 4 – Ultimamente, temos visto noticias de mulheres se casando consigo mesmas, mostrando que são bem mais realizadas solteiras. Os defensores do autocasamento dizem que isso se trata de amor próprio e aceitação individuais. Elas estão camuflando, mascarando uma situação, um bem-estar que não é verdadeiro? Comente sobre isso. 

Cada caso é um caso, é impossível julgar sem conhecer as pessoas. Pode ser que haja casos de mulheres que tomam essa atitude numa forma de demonstrar que estão bem resolvidas em relação à vida solitária, ou que usem esse ritual para marcarem uma nova etapa de suas vidas. Na verdade, mesmo sem ritual, todas as mulheres e os homens deveriam se lembrar de que o seu primeiro e maior amor precisa ser por eles mesmos, com autoaceitação e disposição para serem melhores, dia a dia. Só quem se ama e se respeita de verdade é capaz de atrair amor e respeito para uma vida a dois leve e tranquila.

 5 – Muitas pessoas tem uma ideia errada do casamento como instituição?

Acredito que sim, talvez pelas crenças (aquelas “verdades”) que os pais incutiram em suas cabeças, ao longo de sua criação.  Por exemplo: Muitos homens cresceram ouvindo que casamento é prisão, e as mulheres ouviam que casamento é sacrifício. Ter esse tipo de crença leva muita gente a temer ou mesmo correr do casamento.

 6 – Algumas pessoas tem uma experiência anterior ruim na vida amorosa e aí dizem: “antes só do que mal acompanhada”. Sabemos que se o relacionamento era muito mal, abusivo, lhe prejudicava, era melhor que tivesse terminado mesmo. Porém, porque a pessoa não pode pensar da seguinte forma: “antes bem acompanhado do que mal acompanhado” e, daí, lutar para ter um bom relacionamento?

Pois é, mas para conseguir atrair para sua vida alguém que seja um bom companheiro, a pessoa precisa primeiro se sentir a sua melhor companhia, estar bem com a sua própria presença. Os fracassos e decepções nas relações acontecem, de forma geral, justamente porque as pessoas colocam mais expectativas e amor nos parceiros do que em si mesmas, em primeiro lugar. 

7 –  O que a pessoa que já passou por uma desilusão amorosa pode fazer para não sentir “medo” de se casar ou de ter um compromisso sério?

O primeiro passo é resgatar sua autoestima, aprender a se valorizar e parar de mendigar o amor dos outros. Quando a pessoa estiver se sentindo bem com ela mesma, autoconfiante, todo o medo de se comprometer irá se desfazer, porque ela sabe que merece agora ser amada e respeitada da mesma forma como ela se ama e se respeita.

8 – Como a pessoa pode parar de alimentar esse medo?

Além de trabalhar o aprimoramento de sua autoestima, eu sempre aconselho que a pessoa pare de comentar suas mazelas no amor, as decepções pelas quais passou, e comece a observar, ao seu redor, quantas uniões são felizes e duradouras, e aprenda como se comportam esses parceiros. Outra dica é usar a gratidão por antecipação, repetindo pra si mesmo, dia e noite, noite e dia: “Sou feliz e grato pelo relacionamento maravilhoso que tenho, muito obrigado!” Esta é uma boa tática para colocar a Lei da Atração em ação.

(Eliana Barbosa é psicoterapeuta, life coach, escritora e palestrante no campo do autodesenvolvimento. Contato: www.elianabarbosa.com.br e eliana@elianabarbosa.com.br )

Link da matéria (resumida), no site da Folha Universal:  https://www.universal.org/noticias/voce-tem-medo-de-casar

E, abaixo, um vídeo que gravei para complementar essa matéria, apresentado na Realidade Aumentada, para os leitores do jornal:

 

 

ATENDIMENTOS 2