Arquivo de etiquetas: pais e filhos

ABUSO EMOCIONAL INFANTIL

ABUSO EMOCIONAL INFANTIL

(Por Eliana Barbosa*)

Algo que sempre me comove é a vulnerabilidade das crianças, não só física, mas também, emocional.

Felizmente, as leis são duras para quem abusa fisicamente de uma criança, porém,  são muito fracas no caso do abuso emocional, que a meu ver, é um grande crime, um verdadeiro massacre contra a integridade psicológica de uma criança ou jovem.

É grande o número de pais e mães totalmente despreparados para educar seus filhos com amor maduro, sem apego, nem chantagens e cobranças – que geram culpa, remorso e desejo inconsciente de autopunição nas crianças.

Estes casos são mais frequentes em pais solteiros ou separados, que não conseguem administrar seus próprios sentimentos e despejam toda a sua frustração nos filhos.

Vou dar alguns exemplos aqui do que vejo como abuso emocional, e que, em alguns casos, se configuram como alienação parental, segundo a lei:

– Ficar questionando a criança de quem ela gosta mais – isso causa pressão, confusão mental e culpa. Os pais precisam respeitar as afinidades da criança.

– Usar o filho como mensageiro para levar recados ao outro genitor – criança não merece se envolver nos problemas dos adultos.

– Usar a criança como espiã do outro genitor – isso gera ansiedade e sentimento de estar traindo um dos pais.

– Chorar, fazendo-se de vítima para conseguir atenção e afeto da criança, ou ficar dizendo que está ficando velho, vai morrer, que está triste…  – uma desumanidade, que gera no filho um pernicioso sentimento de culpa, e que, com o passar do tempo,  acaba afastando-o mais deste genitor.

– Falar mal do outro genitor ou da família dele – isso causa muita incerteza na criança, levando-a a comportamentos agressivos e até à depressão.

– Dizer ao filho que está magoado porque ele demonstra gostar também do outro genitor – mais um motivo para a criança se sentir confusa e culpada.

– Colocar nas mãos da criança decisões que cabem aos adultos, como por exemplo, com quem ela gostaria de morar, e ficar pressionando-a nessa questão.

Enfim, são tantos outros exemplos, mas fica aqui o meu recado para que pais e mães procurem ler mais sobre o quanto o seu equilíbrio emocional é fundamental para a felicidade de seus filhos.

E guardem bem: Criança nenhuma merece carregar o peso das frustrações dos pais em suas costas!

(* Psicoterapeuta, life coach, palestrante, apresentadora de TV e autora de livros no campo do autodesenvolvimento. Contato: eliana@elianabarbosa.com.br)

 

ATENDIMENTOS 2

 

 

 

AVÓS NOTA 10

2

(Autoria de Eliana Barbosa*)

 

Dias atrás, em uma palestra que realizei para pais, eu mostrei ao público, através de histórias e slides, o quanto o exemplo é fundamental na criação dos nossos filhos, principalmente o modelo de atitudes dos pais e avós com os quais as crianças convivem.

Sinto-me afortunada pelos exemplos que herdei de meus pais e de meus avós, e, hoje, avó de três adoráveis netinhos, sei da minha responsabilidade em ser uma avó nota 10.

Por isso, quero compartilhar com você o que aprendi com meus pais e avós, e que procuro vivenciar com meus netos, no dia a dia:

  • Através do diálogo, incentive seus netos a expressar seus sentimentos (mesmo aqueles ruins) e, ao ouvir seus desabafos, não critique ou desvalorize o que eles estão sentindo (“Isso não é nada…”, “Isso passa…”, etc.). Você deve ouvir com carinho e validar os sentimentos que eles expressam (“Eu te entendo…”, “O que podemos fazer para resolver isso?…”, etc.), gerando neles confiança para contar a você suas naturais aflições ao longo da vida. Lembre-se que nenhum sentimento é ruim em si. O que é ruim são as ações decorrentes de sentimentos negativos, como rebeldia e agressividade. Daí a importância de se poder expressar o que sente e de ser ouvido com respeito.
  • Vivencie com seus netos a verdade – nada de mentirinhas para fazê-los comer melhor ou para eles obedecerem às suas ordens. Usar mentiras com as crianças é um artifício negativo que lhes causa mágoa e as deixa confusas quanto a confiar ou não em você.
  • Não confunda amor com apego. Quem ama não prende, não cobra, não faz chantagens emocionais, nem tenta comprar o amor dos outros. As crianças sofrem muito quando os avós ficam cobrando atenção, afeto, e elas jamais devem ser chamadas a escolher de quem elas gostam mais. Estas são atitudes imaturas dos adultos, que precisam ser corrigidas em nome do equilíbrio emocional das crianças.
  • Avós simbolizam “porto seguro”, área de confiança, aconchego e sabedoria. Por isso, em seu lar, evite discussões na frente das crianças, o que pode gerar nelas sentimento de culpa e insegurança. Os maiores causadores de traumas na infância são os conflitos entre os pais, e também entre eles e os avós. Seus netos não merecem presenciar os avós desqualificando e desrespeitando os seus pais. Isso os torna confusos e pode causar tristes sequelas emocionais, que eles carregam vida afora. Na família, cabe aos avós, com sua experiência de vida, o papel de sábios conciliadores, sem julgamentos, sempre respeitando a forma de ser e pensar de cada um.
  • Só interfira na educação dos seus netos se for solicitado pelos pais. Lembre-se que seus netos são filhos dos pais.
  • Entenda que colocar limites – e dizer “não” quando é preciso – também são formas de expressar seu amor por seus netos. Toda criança se sente segura quando os adultos ensinam a elas seus direitos, mas também seus deveres.
  • Mostre aos seus netos a diferença entre ajuda e apoio – Ajuda é fazer pelo outro (o que pode deixar implícito que a outra pessoa é incapaz de fazer sozinha, e isso acaba atrapalhando o desenvolvimento de sua autoestima). Por outro lado, apoio é você fazer com o outro (incentivando-o, ensinando a ele o passo a passo e, depois, elogiando-o pelas conquistas). Por exemplo: Quando seu neto pedir ajuda para recolher os brinquedos do chão, diga a ele: “Não vou te ajudar, mas posso te apoiar, segurando a caixa de brinquedos perto de você.”. Depois, parabenize seu neto por ter conseguido catar tudo sozinho. Você consegue perceber a diferença?
  • Ensine aos seus netos o valor da gratidão. Na hora de dormir, quando eles estiverem com você, ou mesmo se você for se despedir deles por telefone, faça com eles o “jogo da gratidão”: Cada um, inclusive você, vai ter que escolher pelo menos três acontecimentos do dia para agradecer, dizendo assim, para cada fato: “Sou feliz e grato porque…”. É surpreendente ouvir o que as crianças valorizam e agradecem!
  • Conte histórias para seus netos – histórias da família, de amor, de conquistas, de alegrias vividas. Saber da sua história de vida despertará em seus netos um forte sentimento de pertencimento, de fazer parte de algo importante no universo familiar.
  • Cabe aos avós manter viva a cultura popular, ensinando aos netos músicas, jogos e brincadeiras folclóricas. Diversão garantida!
  • Respeite a escolha religiosa dos pais de seus netos. O importante é você sempre alimentar nas crianças o sentido da vida, a fé e a caridade.
  • Os laços entre avós e netos, quando positivos, independentes do tempo e da distância, jamais serão desfeitos. Muitos avós e netos sofrem por morar longe uns dos outros, e, nesse caso, eu tenho uma dica interessante: Combine com seus netos onde vocês vão se encontrar, nos sonhos,  todas as noites. Essa é uma forma amorosa e divertida de você e as crianças lidarem com a  saudade, sempre lembrando a eles que saudade não é um sentimento ruim, porque só sentimos saudade de quem amamos de verdade.
  • Finalizando, guarde bem: Grandes avós são aqueles que suprem as necessidades emocionais e materiais de seus netos, apoiando o papel dos pais, o que proporciona às crianças mais segurança no processo de crescer. Avós nota 10 vão além: eles oferecem aos seus netos o seu tempo, sua história, sua experiência e sabedoria, e, é claro, o seu ser!

 Pense nisso com carinho!

* Eliana Barbosa é life coach, psicoterapeuta, articulista de jornais e de revistas de circulação nacional e internacional, autora de vários livros no campo do autodesenvolvimento,  apresentadora de programas em TV e rádio, e ministra  palestras e cursos transformacionais no Brasil e nos Estados Unidos. Contato: eliana@elianabarbosa.com.br  /// www.elianabarbosa.com.br 

ATENDIMENTOS 2

 

EDUQUE PELO EXEMPLO

pai-e-filho

(Autoria de Eliana Barbosa*)

Na área em que trabalho, vez ou outra atendo pais sofrendo com a falta de limites dos filhos, e sem saber que rumo tomar diante de tantos desmandos e desvarios…

E, conversa vai, conversa vem, eles chegam à triste conclusão de que têm perdido tempo tentando educar com broncas e gritos, quando, na verdade, o que educa é o exemplo, são as atitudes, é aquilo que as crianças vivenciam em família, no dia a dia.

Por isso, vamos analisar 7 maus exemplos que muitos pais dão aos filhos e, por vezes, nem percebem o estrago que fazem:

1. Fumar, consumir bebida alcoólica, comer alimentos de baixo teor nutritivo, dormir tarde, ter vida sedentária  – Estas ações diante de seu filho acabam por induzi-lo à imitação, pensando que está agradando-o se agir como você.

2. Falar mal dos outros, criticar, colocar defeito em tudo, reclamar – Você está mostrando ao seu filho o quanto a vida parece injusta e triste, além de demonstrar falta de compaixão com os defeitos dos outros. E ele agirá assim na escola e entre os amigos, e, no futuro, na vida profissional.

3. Ser agressivo no falar e no agir – Se este é o modelo de convivência que você passa ao seu filho, ele vai fazer o mesmo com os colegas na escola e professores, e, tempos depois, com você e todos aqueles a quem ele deve respeito e obediência.

4. Reclamar do trabalho – Quanto você tem crenças limitantes em relação ao trabalho (“vou à luta…”, “ralei o dia inteiro…”, “estou morto de trabalhar…”), seu filho passa a acreditar que trabalhar é ruim e difícil, e, depois, quando chegar a vez dele começar a trabalhar, ele vai inventar uma porção de cursos pra fazer, só para fugir dessa “tortura” que você “pintou” pra ele.

5. Acusar as pessoas – Esta é uma forma de ensinar ao seu filho a não se responsabilizar pelos próprios erros, sempre colocando a culpa nos outros.

6. Mentir – Seu filho entende que pode  “dar um jeitinho” e começa a usar a mentira para se safar das consequências dos seus atos.

7. Querer parecer bonzinho – Quando você age assim, está deixando de ensinar a assertividade, aquele posicionamento que vai dar coragem ao seu filho para dizer “não” para os amigos (da onça) que vão lhe oferecer drogas, bebidas, etc…

O que você precisa entender  é que embora cada pessoa, ao nascer,  já traga um jeito de ser, uma tendência de caráter, é na primeira infância que temos a maior oportunidade de influenciar os nossos filhos, mostrando a eles noções de honestidade, ética, cidadania, humildade, compaixão, fraternidade e positividade.  E eles “sugam” nossos exemplos como se fôssemos “deuses”, donos da verdade. Daí, a responsabilidade dos pais em se melhorar, porque palavras podem até convencer, mas o que realmente faz a outra pessoa mudar é o exemplo!

(*Psicoterapeuta, coach de relacionamentos, escritora e palestrante no campo do autodesenvolvimento, e apresentadora em TV e rádio) 

BANNER PARA HOME