Arquivo de etiquetas: coaching

O QUE SÃO CRENÇAS LIMITANTES (e Como Resolvê-las)?

 

1-crenca-limitante

(Autoria de Juan O’Keeffe)

Imagine que você queira aprender a tocar violão.

Você adora música e sempre sonhou saber tocar violão. Mas quando era criança achava que não sabia desenhar tão bem quanto os colegas de aula.

Então você cresce achando que não têm talento artístico.

Aí quando você pensa em aprender violão vêm aquela voz interior e diz “Não tenho talento artístico. Melhor nem tentar.”.

Então você desiste de tentar aprender porque acha que não vai conseguir.

Essa é uma crença limitante.

Crença limitante é algo em que você acredita e que limita você de alguma forma.

Alguns exemplos:
• Não sou bom em matemática por isso não posso fazer faculdade de engenharia.
• Nunca vou emagrecer porque não tenho disciplina para manter a dieta e praticar exercícios.
• Tenho que casar com alguém da mesma religião pois minha família não aceitaria uma pessoa de outra.
• Não sou um técnico de eletrônica bom o suficiente para ganhar dinheiro com isso.
• Posso me dar mal se mudar de emprego.
• Não posso ser advogado pois minha família quer que eu seja um médico.
• Mulheres só têm interesse em homens com muito dinheiro.
• Devo trabalhar aqui pois não conseguiria emprego em outro lugar.
• Não sou tão bom quanto eles para entrar nessa disputa.
• Devo continuar no casamento para manter as aparências.
• Não posso viajar de avião pois é muito perigoso.

Algumas clássicas:
• Não tenho as qualificações necessárias.
• É tarde demais.
• Não sei por onde começar.
• Já tenho responsabilidades demais.
• Nunca funcionou antes.
• Sempre chego tarde demais.
• Não tenho conhecimento suficiente.
• Estou muito fora de forma.
• A vida é muito complicada.

As crenças limitantes são uma espécie de desculpa para não fazer o que você realmente gostaria de fazer. Elas nos mantém na nossa zona de conforto e segurança. Isso pode limitar muito o seu desenvolvimento pessoal e conquista dos seus objetivos.

Uma coisa importante de perceber é que muitas vezes essas crenças limitantes são coisas da nossa cabeça que não condizem de fato com a realidade. Existem apenas pois você está dizendo a si mesmo que aquilo é uma realidade.

Mudando o pensamento, você pode mudar também.

Alimentar a crença de que mulheres só têm interesse em homens com muito dinheiro é apenas uma forma de você arrumar uma desculpa a si mesmo para não procurar uma mulher. Obviamente existem muitas mulheres com homens com pouco dinheiro por aí.

Agora tente lembrar da última vez que você queria alguma coisa e não conseguiu. Muito possivelmente foi uma crença limitante que parou você.

Se você parar para pensar, perceberá que muitas das dificuldades e frustrações da vida são derivadas das nossas crenças limitantes.

Por isso, se você quer atingir seus objetivos, livre-se das crenças limitantes que não fazem sentido. Libertando-se delas abrimos espaço para seguir adiante no caminho da vida.

No meu caso, uma crença limitante que tenho é que não me acho bom em design gráfico. Como então posso ter um website? É simples. Encontro uma alternativa e dou um jeito.

Por isso, quando preciso de um trabalho de design (por exemplo, criação de um logotipo) terceirizo o serviço. Mas de uns tempos pra cá tenho arriscado um pouco mais e quando são coisas mais simples, por exemplo, editar uma imagem, colocar texto numa foto ou algo assim, já tenho tomado mais coragem e vou em frente e eu mesmo faço.

As próprias fotos do meu site sou eu que pesquiso, escolho e faço edições simples quando necessário. Ainda tenho a crença de que não sou muito bom nessa questão de design, mas não deixei que isso fosse empecilho para eu criar meu site e fazer o que preciso fazer.

Observe também se você utiliza de afirmações permanentes. Dizer algo como “Eu não sou bom o suficiente” não deixa espaço para você melhorar. Você está dizendo a si mesmo que não é agora e não será no futuro.

Ou seja, você está desistindo ali mesmo. Em vez disso dizer algo como “Ainda não cheguei lá mas estou aprendendo” levará você muito mais longe.

Por quê temos crenças limitantes?

Existem diferentes fontes de crenças limitantes. Alguns exemplos:

Experiências
Vamos supor que você tenha criado um negócio que não deu certo. Talvez dessa experiência surja uma crença limitante dizendo que você não conseguirá criar um novo negócio que dê certo pois já tentou uma vez e deu errado.

Lógica equivocada
Muitas vezes é uma questão de lógica equivocada. No próprio exemplo acima, não quer dizer que o fato do primeiro negócio que você tentou deu errado que os outros também vão dar.

Como diria Thomas Edison, “Eu não falhei. Apenas tentei 10.000 maneiras que não funcionam”.

Desculpa
Pode ser que no fundo você não queira realmente ir em frente. Então fica arrumando desculpas a si mesmo. Por exemplo, você pode dizer que não têm disciplina para fazer uma dieta e emagrecer. No fundo pode ser que você realmente não queira ficar longe do que gosta de comer.

Medo
medo é sem dúvida bastante limitante. Vamos dizer que você tenha medo de avião adotando a crença de que andar de avião é perigoso. Na verdade é sabido que avião é o meio de transporte mais seguro que existe. Mas isso acaba não sendo o mais importante na decisão.

Círculo social
Família, amigos, colegas e as pessoas que de forma geral fazem parte do seu dia a dia podem ser uma fonte de crenças limitantes para você.

Digamos que um colega seu relate uma experiência em que passou mal após comer sushi e que isso aconteceu pois é feito com carne crua.

Você pode desenvolver uma crença limitante de que comer sushi faz mal pra saúde impedindo você de desfrutar dessa culinária.

Religião
A religião é famosa por doutrinar às pessoas gerando diversas crenças limitantes. Possuem até um termo específico para isso “pecado”.

Para um gay não assumido ouvir do padre da sua Igreja que ser gay é pecado pode ser um grande limitador para assumir sua homosexualidade.

Sociedade
Padrões de beleza é um dos exemplos de coisas que podem se tornar uma crença limitante para as pessoas.

Uma jovem bonita pode achar criar uma crença de que nunca conseguirá um namorado pois não segue os padrões de beleza adotados pela sociedade.

Crença vs fatos

Crenças não necessariamente são fatos. Muitas vezes não existe correlação entre crença e realidade. Aí é que encontra-se a oportunidade.

Se você acredita que é tarde demais, pode ser que não seja. Essa é a sua chance.

A crença limitante não têm embasamento. É apenas uma crença errada. Livrar-se dela é algo benéfico. Diferente de fatos. Esses são reais e contra esses não há nada que se possa fazer. O segredo é saber diferenciar entre os dois.

Claro, eventualmente a crença pode ter fundamento. Vamos dizer que você acredita que não é possível aprender falar inglês fluentemente em apenas uma semana. Se você pensa isso, concordo com você.

Pode aprender algumas palavras, algumas frases. Até mesmo engajar num pequeno diálogo. Mas fluentemente certamente não vai conseguir.

Ou se você tem ambição de virar jogador de basquete profissional mas têm um metro e meio de altura realmente eu diria que as chances são pequenas.

Mas mesmo assim não é impossível. Muggsy Bogues é uma prova disso. Com apenas 1,60 m chegou à NBA, a liga de basquete profissional norte-americana [1]. Lembre-se sempre do que disse Nelson Mandela, “Sempre parece impossível. Até que seja feito.”.

Mas esses são casos extremos. Muitas vezes temos crenças limitantes sobre coisas muito mais próximas do nosso alcance de serem realizadas.

O segredo está em saber diferenciar o que é simplesmente uma crença que pode ser superada do que é uma realidade que não têm como ser mudada.

A maior parte das coisas que você quer alcançar pode ser alcançada. Você só precisa sair da frente do seu próprio caminho.

Como descobrir suas crenças limitantes?

Para descobrir suas crenças limitantes pense sobre algo que você gostaria de fazer e não faz. Então procure a justificativa que você encontra para não fazer. Essa justificativa geralmente está no “porque” da frase.

Por exemplo, vamos dizer que você diga “Não posso conseguir um bom emprego porque não tenho curso superior.”; “Não posso tomar a iniciativa porque isso é o homem que deve fazer.”; “Não posso ter um negócio próprio porque a economia está ruim.”

Assim que você encontra uma justificativa para não fazer algo, você não irá fazê-lo.

Como superar crenças limitantes?

1) Identifique uma das suas crenças limitantes

Pense no que você gostaria de fazer e porquê não está fazendo. O que está impedindo?

Tome nota da sua crença limitante.

2) Reconheça que é apenas uma crença

Reconheça que a sua crença pode não passar de uma crença que não é verdade.

3) Conteste a sua própria crença.

Questione a sua crença levantando questões como estas:

• Essa crença realmente têm fundamento? Quais são os fatos que comprovam?
• Eu sempre pensei dessa forma? Se não, o que mudou?
• Existem evidências contrárias à minha crença?
• As outras pessoas concordam com essa crença?
• Como seria pensar exatamente no oposto dessa crença?
• Essa crença está me ajudando a progredir nos meus objetivos?
• Como eu pensaria sobre essa crença se eu fosse outra pessoa (Einstein, Steve Jobs, um empresário, um médico etc…)

Muitas dessas questões podem parecer estranhas, mas ajudam você a ampliar sua perspectiva sobre o assunto. Exercitam o pensamento “fora da caixa”.

Ao argumentar contra o seu próprio pensamento inicial muitas vezes você pode perceber que não é bem como você estava pensando levando você a mudar o paradigma para algo mais positivo e encorajador:

“Conheço o fulano de tal que têm um excelente emprego e não têm curso superior. Se ele pode também posso.”; “Tenho uma amiga que tomou a iniciativa no relacionamento e está namorando com o cara até hoje.”; “Têm muitas empresas que abrem negócios quando a economia está ruim e sucedem.”

4) Perceba as consequências

Quais são as consequências de se agarrar à sua crença limitante? Se agarrar a crença de que você não é capaz de passar num concurso público porque falhou na sua primeira tentativa pode privar você de passar no futuro e ter uma vida melhor.

5) Adote uma nova crença

Escolha algo novo em que acreditar. Algo que irá ajudar a melhorar a sua vida. Pode não ser fácil essa transição.

Dependendo do tempo que você pensou e viveu àquilo que levou você a crer no que crê pode ter criado um vínculo emocional muito grande e enraizado a crença com muita força.

Mas se você quer ir em frente e mudar precisará ter força e coragem de fazer essa mudança de pensamento e adotar a nova crença.

6) Coloque em prática

Tome uma atitude e comece a implementar coisas que suportem a sua nova crença. Vamos dizer que você tinha uma crença limitante que dizia “Sou velho demais para iniciar a praticar exercícios”. Depois de passar pelos passos anteriores você resolveu adotar uma nova crença “Nunca é tarde para começar”. Então hoje mesmo sai para dar uma caminhadinha de 15 minutos para começar a prática de exercícios e criar o hábito a partir daí.

Enfim, o mais importante é entender que as crenças limitantes fazem com que você viva abaixo do seu potencial, mas essas crenças podem ser mudadas. Reformatar o seu pensamento pode resultar em conquistas magníficas para sua vida.

Grande abraço!
Juan O’Keeffe

Fonte: https://www.evolucaopessoal.com.br/o-que-sao-crencas-limitantes

 

 

ATENDIMENTOS 2

PERDÃO – O ALICERCE DO SUCESSO

perdão

(Autoria de Eliana Barbosa)

A cada dia que passa, mais compreendo o quanto o perdão é um sentimento libertador.

Todos nós vivemos em busca do sucesso, seja em que área for, e até já sabemos que um dos ingredientes principais para uma vida bem sucedida é a autoestima. Porém, poucas pessoas atentam para a  importância do perdão e também do autoperdão na conquista da vitória, quer pessoal, quer profissional.

A capacidade de perdoar deve ser encarada não só como uma prova de fé e amor, mas, também, como uma prova de inteligência, porque o perdão é capaz de aliviá-lo do peso insuportável do ódio, que não permite que você cresça e prospere na vida.

Eu penso que todos os atendimentos psicoterápicos deveriam ter como base o perdão, porque as neuroses, as doenças, a depressão, os suicídios e todas as misérias materiais ou morais estão intimamente ligados ao ódio que ainda habita o coração da Humanidade.

Sentir ódio é delegar poder àquele que você odeia. O outro passa a mandar na sua vida, ganha a força de manipular os seus passos, porque você fica preso às lembranças desagradáveis do passado e a energia negativa e pesada do rancor não permite que você consiga planejar e realizar os seus sonhos.

Você se torna um escravo do ódio e, pior ainda quando passa a alimentar desejos de vingança. É impossível ao Universo apoiar quem nutre dentro de si pensamentos negros de revolta e revanche.

 Analisando a palavra “mágoa”, percebemos que ela nada mais é do que a palavra “ódio” debaixo de uma maquiagem sutil. E só sentimos ódio de quem, um dia, amamos muito e nos decepcionou, em algum momento.

 Diante disso, procure praticar o autoconhecimento para pesquisar dentro de si este sentimento tão destrutivo – o ódio -,  sem medo de encontrá-lo, muitas vezes, direcionado aos seus pais ou àqueles ligados à sua criação. É preciso encarar com realismo que são as pessoas mais próximas a nós que podem nos causar mais danos, porque nelas depositamos a nossa confiança plena e, muitas vezes, não somos correspondidos.

Então, depois de encarar os seus ódios, com coragem, e entender que as doenças e até as dificuldades financeiras são produto da falta de perdão, o próximo e principal passo é começar a perdoar, praticando exercícios simples que, porém, necessitam da sua persistência, porque “feridas abertas” costumam sangrar, de vez em quando.

Eu vou ensinar, aqui, uma técnica que aprendi, alguns anos atrás, que ensino em meus atendimentos, e é fantástica e transformadora: Durante 21 dias (sem interrupção), escreva em um papel 30 vezes, a cada dia, buscando penetrar em um positivo estado emocional, a seguinte declaração: “Eu declaro que me perdôo e perdôo …(coloque aqui o nome de quem você tem ressentimentos)”.

No começo, você pode sentir dificuldades até de escrever o nome da outra pessoa, tamanho é o poder que ela exerce sobre você, mas com o passar dos dias, você irá se sentir mais confiante e começará a perceber que novas oportunidades surgirão em sua vida, novas amizades construtivas e uma alegria que há muito não sentia. É a prova da libertação que está começando a envolver a sua vida, o seu trabalho e os seus caminhos.

E, a partir daí, com a firme intenção de fortalecer o sentimento de perdão, aprimore o seu gosto pelas leituras positivas, porque um bom livro é uma arma abençoada que você pode usar para enfrentar seus medos, rancores, culpas, enfim, para superar os desafios do mundo e vencer!

Obs. 1: Se você, no processo de 21 dias pular algum dia, se esquecer, por exemplo, você deve iniciar a terapia do perdão desde o primeiro dia, de novo.

Obs. 2: Ao terminar os 21 dias, você vai ler pela última vez as suas declarações, vai respirar fundo e rasgar todos os papeis escritos, queimá-los e jogar as cinzas… Sabe onde??? No vaso sanitário, lugar perfeito para você eliminar, de uma vez por todas, esse lixo emocional que vem há tanto tempo intoxicando sua vida!

Abraços e felicidades,

Eliana

(Psicoterapeuta, coach de relacionamentos, escritora e palestrante no campo do autodesenvolvimento, e apresentadora em TV e rádio) 

CARTAZ CAPTURA