Arquivo de etiquetas: ACORDANDO PARA A VIDA

10 DICAS TRANSFORMADORAS PARA UM ANO PROMISSOR

179134646

(Autoria de Eliana Barbosa*)

Aproveitando a motivação bem típica do começo de um novo ano, hoje eu trouxe pra você  10 dicas transformadoras para que 2019 seja um ano verdadeiramente  promissor:

  1. Disponha-se a se amar em primeiro lugar, porque o mundo só reconhece quem tem consciência de seu próprio valor.
  2. Combata a mania de perfeição, aceitando suas limitações, sem, contudo, deixar de fortalecer suas qualidades.
  3. Tenha coragem para se posicionar diante da vida, parando de abrir mão de seus valores e preferências só para agradar aos outros. Chegou a hora de ser sincero com sua alma!
  4. Com disciplina, dedique-se, todos os dias, a pensar e sentir como reais as suas metas traçadas para esse novo ano.
  5. Comece o ano disposto a ter um olhar especial para sua saúde, que é a sua, a minha, a nossa maior riqueza! Para isso, pare de adiar aquela visita ao médico, ou ao terapeuta, e coloque seu corpo, sua mente e sua alma alinhados no grande sentido da vida – ser feliz – e, assim, poder fazer os outros felizes.
  6. Escolha o perdão como forma inteligente de viver –  Comece se perdoando pelas tolices e más escolhas, e perdoe seus desafetos, lembrando-se que perdão não quer dizer aceitação e sim, deixar de dar importância a algo que ficou no passado.
  7. Em cada momento de sua vida, pense, sinta e respire gratidão – pelo que foi, pelo que é e pelo que será! A gratidão tem o poder de atrair a abundância e a felicidade para quem a vivencia!
  8. Chegou a hora de romper todos os laços nefastos com a mania de reclamar e de criticar. Daqui para frente, treine o seu olhar para extrair o que há de positivo diante dos desafios e adversidades.
  9. Decida acabar com o poder das emoções em controlar sua vida. Agora, serenamente, você irá tomar conta de seus pensamentos, emoções, palavras e atitudes, proporcionando mais harmonia em seus relacionamentos.
  10. Assim, dia a dia, exercite a confiança em seu potencial, que refletirá em sua autoimagem, abrindo portas para brilhantes oportunidades. Liberte seu poder interior e permita-se ser feliz, hoje e sempre!

 

*(Eliana Barbosa é life coach, psicoterapeuta, articulista de jornais e de revistas de circulação nacional e internacional, autora de vários livros no campo do autodesenvolvimento,  apresentadora de programas em TV e rádio, e ministra  palestras e cursos transformacionais no Brasil e nos Estados Unidos. Contato: eliana@elianabarbosa.com.br)

ATENDIMENTOS 2

ENCONTROS DE NATAL

 

(Autoria de Eliana Barbosa*)

Natal se aproximando e com ele, em grande parte das famílias, muita ansiedade para os encontros…

Algumas ansiosas pela saudade dos entes queridos, pela vontade de compartilhar suas alegrias.

Todavia, para  outras famílias, a ansiedade vem acompanhada de ressentimento, ou culpa, ou mesmo o constrangimento em  rever desafetos.

Caso você se sinta assim, angustiado com os encontros de final de ano e até culpado por ter ressentimento de quem, à primeira vista, você pensa que só deveria amar, deixo aqui uma linda mensagem do Papa Francisco, onde ele mostra que a vida familiar é mesmo um lugar aonde precisamos constantemente exercitar o perdão:

“Não existe família perfeita. Não temos pais perfeitos, não somos perfeitos, não nos casamos com uma pessoa perfeita nem temos filhos perfeitos. Temos queixas uns dos outros. Decepcionamos uns aos outros. Por isso, não há casamento saudável nem família saudável sem o exercício do perdão. O perdão é vital para nossa saúde emocional e sobrevivência espiritual. Sem perdão a família se torna uma arena de conflitos e um reduto de mágoas. Sem perdão a família adoece. O perdão é a assepsia da alma, a faxina da mente e a alforria do coração. Quem não perdoa não tem paz na alma nem comunhão com Deus. A mágoa é um veneno que intoxica e mata. Guardar mágoa no coração é um gesto autodestrutivo. É autofagia. Quem não perdoa adoece física, emocional e espiritualmente. É por isso que a família precisa ser lugar de vida e não de morte; território de cura e não de adoecimento; palco de perdão e não de culpa. O perdão traz alegria onde a mágoa produziu tristeza; cura, onde a mágoa causou doença.”

E finalizando, lembre-se:  

Perdoar é diferente de reconciliar, porque toda ofensa deve ser perdoada sim – deve ser deixada de lado e perder a importância em seus pensamentos e sentimentos –, mas quando você reconcilia com o ofensor você está dizendo que concorda, que entra em harmonia com quem ele é ou faz, o que, na maior parte das vezes, é uma atitude de falta de amor-próprio, que pode lhe trazer mais dissabores no futuro.

Portanto, perdoar é entender a natureza da pessoa que o magoou – ela ofereceu a você aquilo que ela é, aquilo que ela tem dentro de si, e isso você não pode mudar nela… Mas você pode e deve mudar em si mesmo a mania de julgar e de esperar amor de quem ainda só sabe espalhar crítica e maldade por onde passa.

 

(*Eliana Barbosa é coach de relacionamentos, psicoterapeuta, articulista de jornais e de revistas de circulação nacional e internacional, autora de vários livros no campo do autodesenvolvimento,  apresentadora de programas em TV e rádio, e ministra  palestras e cursos transformacionais no Brasil e nos Estados Unidos.)
 

SEIS PASSOS PARA RECUPERAR SUA AUTOESTIMA

 

 

 (Autoria de Eliana Barbosa*)

Você por acaso conhece alguém feliz e bem sucedido que apresente baixa autoestima? Eu nunca vi… Afinal, autoestima e autoconfiança são fatores decisivos para a realização pessoal e profissional.

Se você tem se sentido por baixo por causa de uma decepção amorosa, falta de valorização no trabalho ou mesmo desemprego, dívidas, excesso de peso, problemas com filhos, etc…, eis aqui 6 passos para você recuperar sua autoestima e se surpreender com a própria mudança:

  • Pare de dar poder aos outros para mandar em suas decisões. Chegou a hora de conquistar o controle de sua vida e se tornar o personagem principal de sua história!
  • Não permita mais que os outros abusem da sua fragilidade e bondade. Aprenda a dizer “não” quando seu coração pedir um “não”, sem medo da cara feia dos outros. Quando precisar negar um pedido, use essa expressão mágica, que amenizará o seu “não”: “Sinto muito, mas… (não posso fazer isso, não quero ir, não preciso disso, não aceito isso, etc)”
  • Faça as pazes com o espelho. Todas as vezes em que passar perto de um espelho, pare, olhe no fundo de seus olhos, sorria pra você e faça uma declaração de amor. No começo pode parecer estranho, mas insista, porque a sensação de ser amado por si mesmo vai lhe trazer bem estar, brilho pessoal e autoconfiança.
  • Pare de temer o “não” das pessoas.  Por causa desse medo você já perdeu muitas oportunidades na vida! Arrisque-se a solicitar aos outros o que você deseja, porque o máximo que você vai ouvir é um  “não”, e tudo continuará como antes, mas se ouvir um “sim”… , já pensou como será bom?
  • Daqui para frente, aceite sua humanidade e pare de cobrar tanta perfeição de si mesmo. Assuma seus erros e fracassos, tire lições das adversidades, levante a cabeça e siga adiante! Se você ficar esperando perfeição para realizar as coisas, você nunca realizará nada na vida. Perfeição ainda não é deste mundo, mas sim a excelência, através da melhora contínua – hoje sou melhor do que ontem e amanhã serei melhor do que hoje!
  • E, finalizando, eu te convido para conhecer o treinamento online (para mulheres) chamado PROJETO VOCÊ MELHOR EM 30 DIAS, onde, passo-a-passo, eu ensino como reconhecer suas qualidades e fraquezas, suas crenças limitantes e transformá-las em fortalecedoras, como resgatar sua autoestima e autoconfiança e, assim, saber se relacionar com os outros sem dependência emocional ou medo da solidão. Acesse este link e saiba tudo sobre essa jornada de autotransformação para que, em 30 dias, você possa dar uma virada em sua vida!  Ou você pode optar por aulas particulares (online) para resgatar sua autoestima (veja divulgação abaixo). 

 

 (*) Psicoterapeuta, life coach, palestrante, apresentadora de TV e rádio e autora de livros no campo do autodesenvolvimento. Contato: eliana@elianabarbosa.com.br ou 55 (34) 9 9972-4053 (WhatsApp). 

 

CHEGA DE SER INFELIZ CONSIGO MESMA!!!. MUDE ISSO DE UMA MANEIRA PRÁTICA, RÁPIDA E SEGURA EM 30 DIAS!!! CLIQUE AQUI E SAIBA MAIS: http://bit.ly/vcmelhor30dias

 

 

 

 

 

PAIS EM CONFLITO E ALIENAÇÃO PARENTAL

 

(Autoria de Eliana Barbosa*)

 

Alienação parental é uma grande violência contra a indefesa criança!

E muitas vezes, vemos famílias que praticam a alienação parental não por maldade, mas simplesmente por ignorância, absoluto desconhecimento dos traumas que podem estar causando às suas crianças.

Por isso, é importante a divulgação sobre este tema!!!

Abaixo, este artigo de minha autoria publicado na revista feminina MALU, anos atrás, onde assinei a coluna semanal Alto Astral, por cinco anos:

PAIS EM CONFLITO

Tempos modernos, mães separadas, solteiras e, muitas vezes, sem maturidade para enfrentar os naturais problemas da educação de um filho.

Vemos, por um lado, mãe colocando filho contra o pai, e por outro, pai denegrindo a mãe… Situação lamentável para a criança, por total falta de preparo dos pais e seus familiares.

Vou falar, hoje, sobre como você, mãe, deve agir em casos de desavença com o pai de seu filho, evitando chantagens emocionais e abusos psicológicos que podem marcar a vida de sua criança, ou mesmo jovem, para sempre:

• Seu filho não é um objeto – não o use para se vingar ou provocar o pai dele. Quando percebe que é o pivô das desavenças, instala-se nele um inevitável sentimento de culpa, que pode acompanhá-lo por toda a vida. E culpa, lembre-se, gera autopunição… Daí tantos jovens destruindo suas vidas com as drogas… Talvez se punindo por culpas que carregam desde a infância…

• Respeite o direito de seu filho de amar o pai e a família paterna.

• Jamais fale para seu filho ou comente perto dele sobre os defeitos do pai. Isso deixa a criança confusa e insegura.

• Caso o pai não seja uma pessoa do bem, cuja convivência com seu filho possa prejudicá-lo física e psicologicamente, utilize meios legais para provar suas suspeitas, converse com um advogado, vá até o Conselho Tutelar, assegurando, assim, os direitos da criança.

• Observe o comportamento de seu filho, depois de estar com o pai. Se ele volta alegre, cantante, seguro, ótimo sinal. Procure incentivá-lo a gostar de estar com a família paterna, aos passeios que fará com eles, etc.

• Se ele volta agressivo, arredio e triste, não comente com ele sua preocupação, mas procure apoio psicológico e a Justiça, porque alguns pais, talvez inseguros em relação ao amor de seus filhos, os manipulam para que se revoltem contra a mãe e contra tudo o que vem da mãe – a escola, a religião, os remédios, os amigos, e até sua família. Isso é abuso!

• O importante é que você, mãe, entenda que a criança, por menor que seja, sente o conflito entre os pais, e isso lhe gera um grande desconforto. Por isso, preserve-a de seus comentários ressentidos, de críticas, acusações e brigas. Toda criança precisa de amor e paz para ser feliz!

 

(*Eliana Barbosa é psicoterapeuta, life coach, autora e palestrante no campo do autodesenvolvimento, e apresentadora em TV e rádio – eliana@elianabarbosa.com.br)

 

ABUSO EMOCIONAL INFANTIL

ABUSO EMOCIONAL INFANTIL

(Por Eliana Barbosa*)

Algo que sempre me comove é a vulnerabilidade das crianças, não só física, mas também, emocional.

Felizmente, as leis são duras para quem abusa fisicamente de uma criança, porém,  são muito fracas no caso do abuso emocional, que a meu ver, é um grande crime, um verdadeiro massacre contra a integridade psicológica de uma criança ou jovem.

É grande o número de pais e mães totalmente despreparados para educar seus filhos com amor maduro, sem apego, nem chantagens e cobranças – que geram culpa, remorso e desejo inconsciente de autopunição nas crianças.

Estes casos são mais frequentes em pais solteiros ou separados, que não conseguem administrar seus próprios sentimentos e despejam toda a sua frustração nos filhos.

Vou dar alguns exemplos aqui do que vejo como abuso emocional, e que, em alguns casos, se configuram como alienação parental, segundo a lei:

– Ficar questionando a criança de quem ela gosta mais – isso causa pressão, confusão mental e culpa. Os pais precisam respeitar as afinidades da criança.

– Usar o filho como mensageiro para levar recados ao outro genitor – criança não merece se envolver nos problemas dos adultos.

– Usar a criança como espiã do outro genitor – isso gera ansiedade e sentimento de estar traindo um dos pais.

– Chorar, fazendo-se de vítima para conseguir atenção e afeto da criança, ou ficar dizendo que está ficando velho, vai morrer, que está triste…  – uma desumanidade, que gera no filho um pernicioso sentimento de culpa, e que, com o passar do tempo,  acaba afastando-o mais deste genitor.

– Falar mal do outro genitor ou da família dele – isso causa muita incerteza na criança, levando-a a comportamentos agressivos e até à depressão.

– Dizer ao filho que está magoado porque ele demonstra gostar também do outro genitor – mais um motivo para a criança se sentir confusa e culpada.

– Colocar nas mãos da criança decisões que cabem aos adultos, como por exemplo, com quem ela gostaria de morar, e ficar pressionando-a nessa questão.

Enfim, são tantos outros exemplos, mas fica aqui o meu recado para que pais e mães procurem ler mais sobre o quanto o seu equilíbrio emocional é fundamental para a felicidade de seus filhos.

E guardem bem: Criança nenhuma merece carregar o peso das frustrações dos pais em suas costas!

(* Psicoterapeuta, life coach, palestrante, apresentadora de TV e autora de livros no campo do autodesenvolvimento. Contato: eliana@elianabarbosa.com.br)

 

ATENDIMENTOS 2

 

 

 

MODERNIDADE DIGITAL E REDES SOCIAIS

Entrevista com Eliana Barbosa- Psicoterapeuta e life coach, para a jornalista Kelly Lopes, para matéria publicada na edição de 16 de setembro de 2018 da FOLHA UNIVERSAL

Uma matéria sobre a modernidade digital e suas mudanças no cotidiano das pessoas, onde as coisas mais simples são registradas a todo tempo em fotos e vídeos nas redes sociais. 

Imagine uma pessoa que com muita frequência registra tudo o que faz e vive nas redes, mostra o que tem, consome e compra, revelando uma felicidade relacionada a tudo o que posta, como se a felicidade houvesse se tornado obrigatória. 

Vamos falar sobre as possíveis consequências dessas atitudes para quem as faz e para quem as acompanha.

ENTREVISTA

FOLHA UNIVERSAL: Algumas pessoas “vivem momentos”, apenas para tirar fotos, ou seja, não aproveitam, apenas registram. E depois que fazem seus posts esperam ser curtidas, vistas e comentadas, e se isso não acontece se frustram, ou seja, estão felizes à medida que estão sendo notadas. Em sua visão, isso é um distúrbio, revela alguma falta ou pode acarretar consequências na vida dessas pessoas?

ELIANA BARBOSA: A meu ver, este comportamento alimenta o narcisismo dessas pessoas, e é viciante. Os neurocientistas explicam que quando recebemos uma curtida, nosso cérebro gera uma descarga de dopamina, que é o mesmo neurotransmissor produzido quando fazemos sexo, ganhamos dinheiro ou comemos chocolate.

É verdade que receber um like ajuda a reforçar nossa autoestima, porém, o perigo é quando a pessoa passar a viver ansioso na expectativa de um feedback positivo, de um elogio, de uma curtida.

Dependendo da pessoa, esse vício pode levá-la ao transtorno de ansiedade e até ao estresse, bem como a episódios de tristeza e decepção,  se não recebe o reconhecimento que espera, nas redes sociais.

Este comportamento revela também uma carência afetiva, baixa autoestima, com a forte necessidade de ser vista, admirada e aprovada.

As consequências na vida desta pessoa, além dos transtornos decorrentes de qualquer vício, há também o afastamento da realidade e daqueles que realmente importam em sua vida, tornando-a uma alienada.

F.U.: Já para quem está do outro lado e acompanha essas postagens, acaba sentindo a necessidade de também postar, de mostrar que está bem, que consome, e que também é feliz. E muitas vezes deseja ser igual àquela outra que posta “um mundo feliz o tempo todo”, e acaba baseando sua vida na vida do outro. Como explicar essa relação da modernidade e quais consequências isso pode gerar para o outro lado (quem acompanha esses posts)?

E.B.: Essa modernidade pode gerar no público que acompanha estas postagens de “felicidade perene”, um sentimento de inadequação e inferioridade, além de uma ansiedade em basear sua vida naquilo que vê na vida do outro. De tanto ver a aprovação do outro, essa pessoa acaba se tornando um mendigo de likes, e, muitas vezes, nem percebe o ridículo a que se expõe, na tentativa de ser admirado.

Uma experiência pessoal: Em minhas redes sociais, lamento quando as minhas fotos que publico têm muito mais likes do que os artigos sérios que escrevo. As pessoas, hoje em dia, estão muito superficiais, e, pelo que parece, esperam a mesma superficialidade daqueles que seguem.

F.U.: A realidade, porém, pode ser bem diferente do que é postado, pois muitas pessoas maquiam uma realidade que não lhes pertence. Por vezes, atrás daquela pessoa feliz da foto existe alguém infeliz. Será que algumas pessoas postam uma vida que idealizam, mesmo que não seja a realidade delas?

E.B.: Eu acredito que a maioria das pessoas, principalmente aquelas que se expõem o tempo todo, está sim maquiando a própria realidade. Essa necessidade de serem admiradas – em tempo integral – as afasta de sua essência. E, nesse afã de serem cada vez mais aprovadas, enveredam pelo consumismo, gastando até mais do que podem, fugindo da própria realidade em que vivem.

Claro que há os blogueiros que, por força do trabalho que realizam, acabam expondo sua vida privada, mas imagino que isso, depois de certo tempo, deve ser angustiante para eles, porque a cobrança dos seguidores parece insaciável.

F.U.: A super exposição de alguns pode gerar insegurança em outros?  Pois acabam idealizando a vida do outro como uma vida perfeita onde as comparações são inevitáveis. Sintomas como: baixa autoestima, Irritabilidade, esgotamento mental e ansiedade podem estar relacionados?

E.B.: Sim, exatamente isso. A vontade de ser como o outro – que já demonstra uma autoestima fragilizada -, gera uma eterna insatisfação pela vida, irritabilidade, esgotamento mental e extrema ansiedade em querer ter o sucesso que vê no outro.

Aí, a pessoa para não ficar para trás, começa também a se expor, e a viver em função da aprovação dos outros, e, com o tempo, acaba precisando de uma ajuda profissional para entender e controlar este comportamento, e entender que o importante é agradar a si mesmo!

Acredito que nunca, em toda a história da Humanidade, as pessoas precisaram tanto de autocontrole quanto na atualidade – autocontrole no uso das tecnologias, das redes sociais, das próprias emoções -, e tratamento adequado para esta tão alta necessidade de ser amado, aceito e respeitado.

F.U.: Quais dicas para quem passa muito tempo nas redes sociais, ou para quem posta tudo o tempo todo?

E.B.: Embora sejam ótimas ferramentas para aumentar nosso círculo de amigos e manter os vínculos familiares e de amizade, as redes sociais, hoje, se tornaram motivo de preocupação dos profissionais do comportamento humano.

Segundo estudos recentes, é mais difícil resistir à tentação de acessar sites como Twitter, Facebook ou Instagram do que dizer ‘não’ ao cigarro e ao álcool. Estes mesmos estudos explicam que o motivo das pessoas se apegarem às redes sociais, em detrimento da convivência real com amigos é porque, na internet, elas podem parecer o que não são. Podem postar apenas aquilo que as fazem se sentir melhor, escondendo suas fraquezas.

Outro fator viciante é a curiosidade humana, a mania de querer saber tudo da vida do outro.

Além disso, como foi explicada acima, a possibilidade de ganhar a atenção das pessoas acaba viciando também.

Na verdade, o que vemos, é uma alienação, em que os indivíduos preferem passar horas e noites na internet do que aproveitando a companhia real dos familiares e amigos. O maior perigo é perderem as habilidades para o contato social, o olho no olho, a gentileza e a educação.

Diante disso, e com o intuito de ajudá-lo a não cair nessa armadilha, deixo aqui 3 dicas poderosas:

  • ORGANIZAÇÃO: Acorde com todos os seus afazeres do dia anotados em sua agenda e só utilize as redes sociais em horários previamente marcados por você. Seja disciplinado.
  • DESAPEGO: Durante as refeições e na hora de dormir, deixe seus aparelhos – smartphones, tablets, laptops, todos eles bem longe de você, dedicando aos seus familiares e amigos, sempre presentes em sua vida, a atenção que eles merecem ter.
  • DISCRIÇÃO: Cuidado ao postar nas redes sociais. Pare de se expor, de contar detalhes de sua vida, na ânsia de ser mais visto pelos outros. Embora rodeado de “amigos virtuais”, quando você precisar de apoio, quem poderá estar ao seu lado, em carne e osso, serão aqueles com quem você deveria conviver melhor, em seu dia a dia.

Guarde bem: Todo exagero é danoso à nossa vida! Pense nisso e cuide-se!

F.U.: Se quiser acrescentar algo que eu não pontuei nas perguntas, fique à vontade.

E.B.:  É importante abordar o seguinte: Um estudo feito na Universidade Livre de Berlim revelou que jovens viciados nas redes sociais podem ter menores notas escolares, redução da produtividade no trabalho e até mesmo depressão.

Para evitar o uso nocivo das redes sociais, os pais devem dosar o tempo que os jovens ficam em frente à tela e acompanhar o conteúdo das postagens.

O psicólogo Cristiano Nabuco, do Instituto de Psiquiatria da USP alega que o vício tecnológico já é uma epidemia. E explica que o jovem termina a maturação do cérebro após os 21 anos. Tudo o que diz respeito ao controle dos impulsos, ele não tem. Por isso, ele aconselha que os pais prestem atenção e acompanhem o jovem da mesma forma como fazem com qualquer outra atividade.

===========       Eliana Barbosa é life coach, psicoterapeuta, articulista de jornais e de revistas de circulação nacional e internacional, autora de vários livros no campo do autodesenvolvimento,  apresentadora de programas em TV e rádio, e ministra  palestras e cursos transformacionais no Brasil e nos Estados Unidos.

============