Todos os artigos de admin

BAIXA AUTOESTIMA E INVEJA

(Autoria de Eliana Barbosa*) 

A cada dia que passa mais me surpreendo com a relação direta que existe entre baixa autoestima e sentimento de inveja.

É incrível como alguém com pouco senso de valor é capaz de se sentir ameaçado com o sucesso e o brilho dos outros!

E o mais triste é que essa sensação de incapacidade e de inveja pode levar a pessoa ao desespero e a atos insanos dos quais poderá se arrepender, com amargura, no futuro.

Por isso, é preciso que trabalhemos a autoestima das crianças e dos jovens, enquanto estão sob nossos cuidados, para reforçar neles sua autovalorização e autoconfiança.

Depois de adulto, é mais trabalhoso desenvolver sentimentos de amor-próprio em quem sempre se achou pior do que os outros, nos mais diversos aspectos.

Um dos caminhos para você detectar se sua autoestima ainda é pequena é procurar investigar seus sentimentos em relação às pessoas bem-sucedidas. Se você tem o hábito de criticá-las ou de desprezá-las, com certeza você está sentindo inveja delas e não suporta ver suas realizações positivas. Tudo isso porque você, inconscientemente, pensa que não é capaz de conseguir o mesmo sucesso e felicidade para sua vida, já que se acha menos do que os outros.

Miguel de Cervantes, escritor espanhol,  explica assim: “A inveja vê sempre tudo com lentes de aumento que transformam pequenas coisas em grandiosas, anões em gigantes, indícios em certezas.”

Cuidado com sentimento tão mesquinho como a inveja. Você fica tão obcecado com a vida da pessoa que você inveja, que se torna cego e ingrato às numerosas oportunidades de vencer que chegam até você.

O filósofo inglês Bertrand Russell disse: “O invejoso, em vez de sentir prazer com o que possui, sofre com o que os outros têm.”

Aprenda a transformar esta emoção negativa da inveja em um suave sentimento de admiração. Sim, admire quem já conseguiu mais do que você na vida e procure seguir seus exemplos de atitude positiva e empreendedora. Com a inveja, você caminha para o abismo da solidão e da miséria; entretanto, com a admiração, você, com certeza,  seguirá a trilha do bem viver.

E para aqueles que são alvo da inveja alheia, por favor, não se escondam do mundo, porque, como bem disse o historiador grego Heródoto, “Mais vale ser invejado que lastimado.”

Portanto, acredite mais em você, em suas potencialidades e no quanto você pode ser feliz! De uma vez por todas, saia da sua frente e pare de atrapalhar a si mesmo!

(*Eliana Barbosa é psicoterapeuta, life coach, escritora e palestrante no campo do autodesenvolvimento. Contato: eliana@elianabarbosa.com.br ou +55 (34) 9 9972-4053)

 

Aproveito para convidar VOCÊ, que acompanha meu trabalho, para  participar do Curso CURA DOS SENTIMENTOS, onde você vai aprender a dominar sua mente, seus pensamentos e sentimentos para conquistar mais saúde física, mental, emocional, relacional e financeira.


Acesse: www.elianabarbosa.com.br/curso-cura-dos-sentimentos/ , informe-se a respeito do Curso e venha participar desta imersão de  15 horas de duração (sábado e domingo – 29 e 30 de junho de 2019),  em um trabalho de pura inspiração e transformação rápida e duradoura!

  Pense nisso e mude, hoje mesmo, sua vida para muito melhor!!!

COMPLEXO: SENTIMENTO DESTRUTIVO

baixa-autoestima-cuidado-com-ela-71-315

(Autoria de Eliana Barbosa)*

O tipo de sentimento que mais atrapalha o crescimento pessoal e profissional é o complexo.

Não bastasse fazer verdadeiro terror na vida da pessoa que o transporta consigo, o complexo assume uma série de variações, tais como: complexo de inferioridade, complexo em relação ao tamanho e ao peso corporal, em relação às capacidades intelectuais e outros sentimentos negativos, como abandono, perseguição, culpa e outros.

Os complexos são típicos de pessoas que não se aceitam e não aceitam a vida que levam.

São revoltadas causadas por “n” motivos: gordura, falta de curvas, pobreza, falta de oportunidade para estudar, desemprego, etc.

A pessoa não aprende a se apreciar como é, a se respeitar com suas qualidades e naturais limitações.

Os complexados são indivíduos muito negativos que vivem da comparação com as demais pessoas.

E a dor do complexo costuma incomodar muito, fazendo com que a pessoa se afaste dos amigos e se isole da sociedade, pouco a pouco.

O mais lamentável é que a maioria dos complexos que conhecemos, são infundados, geralmente criações da mente da própria pessoa, que tem a autoimagem distorcida, destruída talvez pela falta de aprovação durante  seu crescimento.

Ouviu tantas críticas e desaprovações durante a infância e a adolescência, que se tornou um indivíduo pessimista e negativo em relação a si mesmo, e o pior: aos outros também.

Não percebe que o encanto de cada ser humano está sempre em suas diferenças, naquilo que ele mostra de especial e não nas padronizações que são pregadas pelas propagandas – corpo magro, pele jovem e sem rugas, etc.

Os complexos, especialmente os ligados à aparência física são extremamente prejudiciais nos relacionamentos afetivos, de modo que a pessoa não se abre para o amor e para os carinhos quando está se sentindo inferior ou feia diante do seu parceiro.

E somente um trabalho sério de resgate da autoconfiança e do seu amor-próprio poderá reverter esta situação.

O fato é que o verdadeiro amor só acontece para quem se ama verdadeiramente.

Esse tipo de complexo em relação ao corpo, muitas vezes é tão atuante na vida da pessoa, que se torna uma obsessão, uma doença, que hoje é conhecida por “dismorfofobia”, ou seja, medo de uma própria deformidade imaginária.

Casos muito sérios são relatados, principalmente sobre jovens meninas acometidas por Anorexia e Bulimia – transtornos alimentares ligados às distorções da autoimagem. Olham-se no espelho e se enxergam sempre acima do peso real que elas têm…

Alem do mais, é preciso considerar também os complexos que as pessoas carregam ao longo da vida e transferem, de forma inconsciente, para seus filhos, na forma de frustrações, irritabilidade, culpas sem fundamento.

As crianças, com tais exemplos no lar, crescem inseguras de seu valor e aprendem a viver sempre na base da comparação, o que pode se tornar um enorme problema, quando chegam à adolescência.

Muitos adolescentes, para não se sentirem excluídos da turma, e para esconderem seus complexos, alguns aprendidos com seus pais, não conseguem dizer “não” às más companhias, às drogas e aos demais vícios, numa busca constante de aprovação.

Por tudo isso… Guarde bem: Dar espaço para os complexos é abrir portas para as comparações que destroem sua autoimagem.

Quando você não compara, toda a inferioridade e superioridade desaparecem e aí, você descobre a importância de ser… VOCÊ MESMO!

Pense nisso com carinho!!!

(*) Eliana Barbosa é coach de relacionamentos, psicoterapeuta, escritora e palestrante no campo do autodesenvolvimento, e apresentadora em TV e rádio

Aproveito para convidar VOCÊ, que acompanha meu trabalho, para  participar do Curso CURA DOS SENTIMENTOS, onde você vai aprender a dominar sua mente, seus pensamentos e sentimentos para conquistar mais saúde física, mental, emocional, relacional e financeira.


Acesse: www.elianabarbosa.com.br/curso-cura-dos-sentimentos/ , informe-se a respeito do Curso e venha participar desta imersão de  15 horas de duração (sábado e domingo – 29 e 30 de junho de 2019),  em um trabalho de pura inspiração e transformação rápida e duradoura!

  Pense nisso e mude, hoje mesmo, sua vida para muito melhor!!!

UM BALANÇO DO ANO QUE PASSOU

(Autoria de Eliana Barbosa*)

2018 está chegando ao fim e já bate à nossa porta um novo ano… 

Para mim esse é um motivo de muita alegria,  pois vejo com bons olhos esse ciclo de doze meses, chamado de “ano”, que deixa implícito que tudo passa, mas que sempre podemos virar a página e recomeçar e com muito mais qualidade, se quisermos.

A minha proposta é que antes do ano terminar você faça um balanço sobre o seu 2018.

Para isso, é preciso que você responda algumas perguntas:

Como você tem administrado sua própria vida? Você tem se responsabilizado pelas suas escolhas e não dado ouvido aos apelos negativos?

– Durante este ano, você acreditou nos seus sonhos ou acreditou mais nos sonhos dos outros?

– Você é uma pessoa otimista ou pessimista? A otimista está cheia de gratidão por tudo o que conquistou, valorizando cada pequeno detalhe; e a pessimista, ao contrário, está resmungando, dizendo que este ano foi horrível e supervalorizando cada dissabor que passou.

Feitas as perguntas e encontradas as respostas, é preciso agir!!!

O primeiro passo é tentar zerar o seu estoque de ressentimentos. O perdão, antes de tudo, é um ato de amor próprio, que vai lhe proporcionar saúde e prosperidade.

O segundo grande passo é AGRADECER!!!

Para isso, a minha sugestão é: No dia 31 de dezembro, faça uma lista, anotando, aleatoriamente, todas as lembranças boas de 2018, todos aqueles acontecimentos que lhe trouxeram alegrias, mesmo que por instantes.

Enumere-os e, ao final, releia tudo e veja o quanto você é abençoado, afortunado e feliz!!!

Depois, olhe-se no espelho, sorria para você e dê em si mesmo um enorme abraço, parabenizando-se por todas as conquistas do ano que passou.

Agora, com o coração mais leve –  livre de qualquer sentimento ruim e pleno de gratidão -, trace suas metas.

Pegue outro papel e caneta, e vá para um lugar tranquilo.

Pense na sua vida e em tudo o que gostaria de realizar em 2019, em todas as áreas – saúde, relacionamentos, vida espiritual, profissional, finanças e lazer.

Nesse momento é preciso ser bem específico, defina datas, local e, ao escrever, visualize-se realizando as metas.

O grande segredo é, para cada meta, agradecer por antecipação. Por exemplo: “Sou feliz e grata porque terminei a reforma da minha casa até o dia 30 de junho de 2019!” 

Não se preocupe com o “como vou conseguir?”, porque o importante é você saber o que você quer conseguir.

A partir de sua determinação em querer algo e de sua disciplina em ler diariamente suas metas, você mesmo mudará seu foco e, aos poucos, começará a perceber oportunidades até naquilo que você, antes, via como dificuldades.

Para facilitar, cole esse papel com suas metas em uma parede ou espelho e leia-as, em voz alta, pelo menos duas vezes ao dia e confie!

Sabe por quê? Porque o Universo adora apoiar quem sabe o que quer!

Desejo a você, em 2019, coragem para encerrar ciclos, virar a página, e escrever um novo capítulo de sua história com alegria no coração, relacionamentos felizes e, consequentemente, muito sucesso em todos os seus projetos!

Se você quiser, você vai conseguir! 

(*Eliana Barbosa é psicoterapeuta e life coach,  palestrante e autora de diversos livros no campo do autodesenvolvimento, e apresentadora de TV. Contato: eliana@elianabarbosa.com.br )

 

A FRAGILIDADE DA VIDA

 

fragilidade-da-vida

(Autoria de Eliana Barbosa)*

Diante das tragédias coletivas e individuais que o mundo tem presenciado ou vivenciado, quero compartilhar com você, amigo leitor, algumas reflexões sobre a fragilidade da vida e a importância da união familiar nos momentos de dor.

É muito triste falar sobre a morte, mas ela é a única certeza que todos nós temos quando nascemos. E por ser tão certa assim, acredito que ela – a morte – deveria ser mais respeitada, no sentido da valorização de nossas vidas e da vida daqueles que amamos.

Você já percebeu quantos momentos felizes acontecem e você não os reconhece?

Infelizmente, ainda é natural em muitas pessoas só observarem as dores, infelicidades e decepções – quando tudo está bem, vão apenas levando a vida, ao invés de colocarem a gratidão e a união familiar em evidência.

E aí, muitas vezes, quando menos esperam, podem ser acordadas para a vida de uma forma chocante, em que a morte rouba-lhes os corações próximos, sem tempo, ao menos, de dizer adeus.

Por isso, diante da fragilidade da vida, jamais despreze uma oportunidade de se aproximar mais das pessoas que lhe são caras, de pedir perdão ou de deixar os melindres de lado e perdoar.

Sabendo das incertezas do viver, a consciência tranquila é um poderoso consolo para a triste e implacável realidade da morte.

E se a morte só passou perto, mas deu a você uma chance de ver a vida com outros olhos, acompanhe essa história que a Revista Seleções do Reader´s Digest de abril de 2000 conta sobre o ator Christopher Reeve (1952-2004), mais conhecido como o Super Homem:

Em maio de 1995, ele participava de uma competição hípica e sofreu uma queda, quebrando as duas vértebras cervicais superiores, o que o deixou tetraplégico.

Quando o médico lhe disse que deveria passar por uma delicada cirurgia e que talvez não sobrevivesse, ele chegou a pensar em morrer, pois achava que, assim, pouparia aos outros um monte de problemas.

Sua vida se tornou difícil. Quando estava sozinho, deitado, olhando para as paredes, sentia-se muito triste. Imóvel, conseguia adormecer e sonhava que estava de novo cavalgando, representando.

Certo dia, sua esposa, Dana, com quem se casara há três anos, entrou no quarto do hospital e lhe falou: ‘Quero que você saiba que estarei com você até o fim, não importa o que aconteça. Você ainda é você e eu o amo.’

Dias depois, seu filho de três anos também lhe trouxe novas esperanças. Mesmo sabendo que o pai, agora, não mexia mais os braços e não podia mais correr, disse, alegremente: ‘Mas papai ainda pode sorrir.’

Reeve criou uma Fundação com o objetivo de melhorar a condição de vida de pessoas vítimas de algum tipo de paralisia e passou o resto de sua vida lutando por pesquisas com células-tronco. Mesmo totalmente limitado fisicamente, ele conseguiu fazer a diferença!

Por isso, enquanto ainda é tempo, acorde para a vida, sorria, ame e seja muito feliz!

(*Eliana Barbosa é apresentadora de TV, palestrante e autora de diversos livros no campo do autodesenvolvimento.)

Clique para saber sobre meus ATENDIMENTOS

A SOLIDÃO DOS BONZINHOS

 

mulher-solidao-contagiante-436

                                                                                        (Texto extraído do livro CARA A CARA COM ALGUÉM MUITO ESPECIAL:VOCÊ!, de Eliana Barbosa – Gravado na Rádio Sete Colinas, em Uberaba – MG, e parte integrante do CD “Palavras para o seu Bem Viver”)    

Sarah representa tudo de bondade que uma pessoa possa ter… Só que ela sempre foi “boazinha” demais para os outros e, nesse processo, esqueceu-se de si mesma….

CLIQUE ABAIXO para OUVIR O ÁUDIO e DESCOBRIR o que aconteceu com Sarah, que se abandonou para se sentir aceita e amada pelos outros… Será que você é assim também???

 

 Pense bem: Chegou a hora de dar um BASTA a este estilo masoquista de ser e mudar sua própria vida!!!

ATENDIMENTOS 2